Por Tom Polansek

CHICAGO (Reuters) – Os contratos futuros da soja negociados em Chicago avançaram nesta quinta-feira, com o clima adverso na América do Sul alimentando temores de uma crise de oferta no curto prazo.

O mercado operou brevemente em baixa já no final da sessão, em meio à valorização do dólar, que torna os produtos agrícolas dos Estados Unidos menos atrativos para importadores, disseram operadores.

Mas os preços voltaram a subir em seguida, já que a seca na Argentina e o excesso de chuvas no Brasil têm reforçado as preocupações com a oferta.

A Bolsa de Cereais de Buenos Aires disse que poderá reduzir sua previsão para a safra de soja 2020/21 da Argentina, maior exportadora de farelo de soja do mundo, se não houver chuvas o suficiente em importantes áreas produtoras.

O Departamento de Agricultura dos EUA vai atualizar suas estimativas para as ofertas globais em um relatório na próxima terça-feira. Com recordes de esmagamento e exportações dos EUA, já há projeções de uma redução nos estoques de soja do país para nível suficiente para apenas nove dias e meio antes da colheita norte-americana.

O contrato mais ativo da soja fechou em alta de 3 centavos de dólar, a 14,1050 dólares por bushel, após tocar máxima de 14,38 dólares na sessão. Na semana passada, o vencimento alcançou o maior nível desde junho de 2014, a 14,4575 dólares.

Os milho recuou 2,75 centavos, para 5,3250 dólares o bushel, enquanto o trigo terminou em queda de 5 centavos, a 6,51 dólares/bushel.

(Reportagem de Tom Polansek em Chicago, Colin Packham em Sydney e Sybille de La Hamaide em Paris)

Quer tirar suas dúvidas sobre o Imposto de Renda de 2021? Mande sua pergunta por e-mail (faleconosco@6minutos.com.br), Telegram (t.me/seisminutos) ou WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).