O setor de serviços cresceu 0,7% em abril, segundo a Pesquisa Mensal de Serviços (PMS) divulgada nesta sexta-feira (11) pelo IBGE. Com isso, o setor recuperou uma pequena parte da queda registrada em março (-3,1%), mas ainda está 1,5% abaixo do patamar de fevereiro do ano passado, período pré-pandemia.

Segundo André Perfeito, economista-chefe da Necton, o resultado veio melhor que as expectativas e reverte em parte o forte tombo de março.

“Os dados são em grande medida bons e reafirmam uma leitura de alta do PIB neste ano. Sobre as possíveis interações entre a atividade em elevação relativa e a taxa Selic mantemos nosso cenário de 6,25% de juros ao final do ano”, afirma Perfeito.

Na comparação com abril de 2020, o volume de serviços avançou 19,8%, segunda taxa positiva seguida e a mais expressiva da série histórica, iniciada em janeiro de 2012.

No acumulado do ano, o setor cresceu 3,7%, interrompendo três quadrimestres seguidos de taxas negativas. Em 12 meses, ao passar de -8,0% em março para -5,4% em abril, manteve a trajetória de crescimento iniciada em fevereiro.

Serviços prestados às famílias foram os que mais avançaram

O resultado do setor em abril foi puxado por apenas duas das cinco atividades investigadas: informação e comunicação (2,5%), impulsionada pelos segmentos de tecnologia da informação e telecomunicações; e serviços prestados às famílias (9,3%), liderados, principalmente, pelos restaurantes.

“Esse resultado dos serviços prestados às famílias deve ser relativizado, já que em março eles caíram 28%, no momento em que houve decretos estaduais e municipais que restringiram o funcionamento de algumas atividades para controle da disseminação do vírus. Isso fez o consumo reduzir significativamente naquele mês, então em abril houve um crescimento maior por conta da base de comparação muito baixa”, analisa o gerente da pesquisa, Rodrigo Lobo.

Entre as outras atividades, os serviços profissionais, administrativos e complementares recuaram 0,6%, segunda taxa negativa seguida no período março-abril (-2%). Outros serviços também caíram 0,9%, eliminando pequena parte do ganho acumulado de 6,2% entre fevereiro e março.

Já o setor de transportes, serviços auxiliares aos transportes e correio ficou estável (0%), após ter recuado 3,1% em março.

13 das 27 unidades da federação cresceram

Regionalmente, 13 das 27 unidades da federação cresceram no volume de serviços em abril, frente ao mês anterior. Entre os locais com taxas positivas, o impacto mais importante veio de São Paulo (0,5%), seguido por Distrito Federal (4,8%) e Paraná (1,5%). Por outro lado, Minas Gerais (-1,0%) e Mato Grosso (-2,4%) registraram as principais retrações no período.

Taxas recordes na comparação com 2020

Na comparação interanual, todas as atividades tiveram taxas recordes. Já em relação a abril de 2020, o setor de serviços, ao avançar 19,8%, registrou a taxa mais intensa da série, iniciada em 2012. Todas as cinco atividades pesquisadas mostraram expansões recordes. Esse resultado foi influenciado, em grande medida, pela baixa base de comparação, já que em abril do ano passado o setor de serviços recuou 17,3%.

Transportes, serviços auxiliares aos transportes e correio (30,7%) tiveram a principal contribuição positiva sobre o volume total de serviços, impulsionados pelo aumento de receita das empresas de transporte rodoviário de cargas, gestão de portos e terminais, rodoviário coletivo de passageiros, transporte aéreo, concessionárias de rodovias, correio nacional e operação de aeroportos.

“Se por um lado, os segmentos de transportes de carga e de apoio logístico mantêm o bom desempenho iniciado em meados do ano passado, por outro, o transporte de passageiros se beneficia agora da baixa base de comparação, uma vez que abril de 2020 foi o primeiro mês em que se vivenciou na sua integralidade as medidas de isolamento social, provocando, com isso, a brusca redução da mobilidade da população nos diversos modais de transporte a fim de se evitar o rápido espalhamento da Covid-19”, acrescenta Rodrigo Lobo.

As demais contribuições positivas sobre o índice geral ficaram com os serviços de informação e comunicação (12,8%), os profissionais, administrativos e complementares (10,9%), os prestados às famílias (65,8%) e os outros serviços (16,8%).

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).