BUENOS AIRES (Reuters) – Uma semana seca e com altas temperaturas pode reduzir o potencial de produtividade das áreas de milho e soja 2020/21 semeadas tardiamente na Argentina, disse nesta quinta-feira a Bolsa de Cereais de Buenos Aires (BdeC), que prevê safras de 46 milhões de toneladas para ambas as culturas.

Depois de um fevereiro com fortes chuvas, o clima voltou a ser uma preocupação para os produtores de um dos maiores exportadores de alimentos do mundo, que já atravessaram condições extremas nos últimos meses do ano passado e na primeira quinzena de janeiro.

No centro do país, “durante os próximos sete dias são esperadas temperaturas acima da média, sem perspectivas de chuvas que melhorem a disponibilidade para o cultivo no curto prazo”, disse a BdeC, que detalhou que 33% da soja tardia passa por etapas críticas de desenvolvimento.

Em relação ao milho, a bolsa destacou que, embora as áreas do cereal plantadas de forma tardia apresentem um bom estado geral, “se não forem registradas chuvas no curto prazo, que permitam sustentar o cenário atual, durante as próximas semanas o potencial de rendimento da safra pode diminuir”.

A Argentina é a maior exportadora global de óleo e farelo de soja, além de terceira maior fornecedora de milho.

(Reportagem de Maximilian Heath)

Quer tirar suas dúvidas sobre o Imposto de Renda de 2021? Mande sua pergunta por e-mail (faleconosco@6minutos.com.br), Telegram (t.me/seisminutos) ou WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).