A segunda onda da pandemia de coronavírus abateu menos a atividade econômica. Relatório sobre comportamento de consumo, divulgado hoje pelo Itaú Unibanco, mostra que o volume de dinheiro transacionado no varejo subiu 8,7% no primeiro trimestre deste ano em relação a igual período de 2020. A surpresa foi o desempenho do mês de março, que registrou uma alta de 17,9%.

Por que esse dado surpreende? Porque o país enfrentava em março a segunda onda de pandemia, que resultou na ampliação das restrições de funcionamento das atividades econômicas. Em São Paulo, por exemplo, foi adotada a fase emergencial, a mais restritiva de todas.

“As empresas estavam mais preparadas para passar por esse cenário de pandemia da segunda onda. Observamos um crescimento significativo do consumo”, diz Moisés Nascimento, diretor de estratégia e engenharia de dados do Itaú Unibanco.

Além disso, o avanço da vacinação também traz perspectivas mais positivas para a economia. “Achamos que vai ter uma proporção maior de pessoas vacinadas até o quarto trimestre, quando esperamos retornar à normalidade econômica. Claro que existe o risco de variantes mais resistentes surgirem, mas não é nosso cenário básico”, afirma Mário Mesquita, economista-chefe do Itaú.

Outros dados confirmam esse desempenho melhor? Sim. Houve aumento de consumo em datas comemorativas, como Carnaval, Páscoa e Semana da Mulher. As vendas de Páscoa, por exemplo, cresceram 24% na comparação com o mesmo período de 2020, quando o consumidor estava entrando na pandemia.

“No caso do Carnaval, dá para ver que o brasileiro trocou a avenida pelas compras online. Vimos aumento das vendas, puxadas por setores como construção (+78%), lojas de departamento (+45%) e supermercados (+15%)”, afirma Nascimento.

Numa terceira onda, a resiliência será maior? Para Nascimento, sim. “Essa é nossa hipótese e nossa observação também. Vimos isso isso em março, na Páscoa e no Dia das Mulheres.”

Isso vai melhorar o resultado do PIB? Mário Mesquita, economista-chefe do Itaú, disse que o banco deve fazer uma nova revisão para cima da projeção do PIB de 2021. “Recentemente, atualizamos a projeção do PIB para 5%. Só que o PIB do primeiro trimestre surpreendeu favoravelmente. Há chance de revermos novamente para cima o crescimento deste ano.”

Todos os setores vão bem? Não. O Idat, índice de atividade econômica do Itaú, mostra que o setor de serviços ainda não voltou ao patamar pré-pandemia, diferentemente do consumo de bens e serviços.

“Não voltou porque é um setor que envolve aglomeração de pessoas. Os serviços que mais sofrem são turismo, bares, restaurantes, cinema, aqueles em que as pessoas ficam juntas”, diz Mesquita.

 

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).