Não quer cair no golpe do aplicativo de delivery? A principal orientação é não pagar o pedido na hora da entrega. Ou seja, prefira usar um dos meios de pagamento online oferecidos pela plataforma, como cartão de crédito ou vale-refeição.

O número de golpes aplicados por entregadores de apps de comida cresceu 136% em 2021. Por isso, o Procon-SP quer proibir as empresas de delivery de utilizarem maquininhas para receber o pagamento. O Procon quer que os pagamentos sejam feitos apenas de forma online.

Mas o Procon pode proibir isso? A Abrasel (associação brasileira de restaurantes) vê interferência.

Quantos golpes foram aplicados? De janeiro a julho deste ano, foram registrados 341 atendimentos contra as empresas Ifood, Rappi e Uber Eats, no mesmo período do ano passado foram 144. Por empresa, foram 123 reclamações contra iFood, 124 contra Rappi e 94 contra Uber Eats.

Como é o golpe? As maquininhas são adulteradas, o que permite que o valor debitado da conta do cliente seja muito superior ao do pedido que ele realizou. Em alguns casos, os clientes escolheram pagar com cartão, mas o entregador diz que houve uma falha no recebimento e precisará concluir a transação com maquininha.

Circulou nas redes sociais, nos últimos dias, um vídeo em que o entregador filmou os dados pessoais do consumidor e a hora em que houve a digitação da senha.

 

O que os apps têm a ver com isso? O Procon diz que os consumidores reclamam que as empresas de aplicativos não devolvem o dinheiro cobrado, mesmo após a constatação do golpe.

“Como medida de prevenção, o Procon-SP já vem orientando os consumidores a efetuarem os pagamentos de forma online e nunca no momento da entrega, de modo que o contato entre cliente e entregador seja exclusivamente para receber a mercadoria”, diz  Fernando Capez, diretor executivo do Procon-SP.

O que as empresas dizem?

Os aplicativos dizem que os pagamentos não são realizados com maquininhas. Veja abaixo:

Rappi

O Rappi informa que não opera com máquinas de cartão de crédito ou débito e reforça que não há nenhuma prática de pagamento, de qualquer espécie, feita diretamente aos entregadores. Mesmo no caso de gorjetas, o usuário também deve fazê-lo por meio do aplicativo para garantir a segurança de todo

Uber Eats

O Uber Eats é o único entre os principais aplicativos de delivery do mercado que não aceita nem nunca aceitou máquinas de cartão como meio de pagamento. A empresa constantemente orienta os usuários a efetuarem o pagamento somente por meio do app ao fazer o pedido, relembrando que nunca retifica valores ou faz cobranças adicionais por meio de entregadores parceiros.

E os restaurantes?

A Abrasel-SP (associação brasileira de restaurantes) diz que o Procon-SP está interferindo em modelos de negócios. “O problema não é o uso da maquininha, mas os entregadores que aplicam golpes. O Procon não deveria interferir no livre mercado”, afirma Percival Maricato, presidente da Abrasel-SP.

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).