Por Polina Devitt e Darya Korsunskaya

MOSCOU (Reuters) – A Rússia, uma das maiores exportadoras de trigo do mundo, planeja impor uma tarifa mais alta sobre os embarques do cereal a partir de 1º de março, disse o ministro da Economia do país nesta sexta-feira, em mais uma iniciativa para conter o aumento dos preços domésticos de alimentos em meio à crise da Covid-19.

Os preços do trigo em Chicago e Paris dispararam após a proposta, que o governo russo ainda precisa aprovar, por expectativas de que o aumento na tarifa possa fazer com que os compradores prefiram adquirir trigo de outros países.

Operadores afirmam que a decisão da Rússia vai acarretar um aumento no custo do trigo para os países importadores em um momento em que a pandemia já afetou as receitas, tornando as pessoas mais pobres do mundo especialmente vulneráveis à insegurança alimentar.

Os contratos futuros do trigo negociados na bolsa de Chicago avançaram para uma máxima de 6,93 dólares por bushel nesta sexta-feira, maior nível desde maio de 2014.

A Rússia pretende aumentar a tarifa de exportação de trigo para 50 euros (60,68 dólares) por tonelada entre 1º de março e 30 de junho, contra taxa de 25 euros por tonelada estabelecida para o período de 15 de fevereiro a 1º de março, disse o ministro da Economia, Maxim Reshetnikov, citando recomendações de um subcomitê tarifário.

“Há uma necessidade de se evitar mais pressão sobre os preços domésticos”, afirmou o ministro em comunicado. O ministro da Agricultura e chefes de outras pastas disseram apoiar a ideia.

A Rússia vai continuar taxando as exportações de trigo na temporada que terá início em 1º de julho, mas vai preparar uma fórmula para a medida, em vez das tarifas fixas impostas atualmente, disse o ministro.

(Reportagem de Polina Devitt e Darya Korsunskaya, com reportagem adicional de Michael Hogan, Gus Trompiz e Pavel Polityuk)

((Tradução Redação São Paulo, 55 11 56447745))

REUTERS GA LC

Quer tirar suas dúvidas sobre o Imposto de Renda de 2021? Mande sua pergunta por e-mail (faleconosco@6minutos.com.br), Telegram (t.me/seisminutos) ou WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).