Por Ricardo Brito

BRASÍLIA (Reuters) – A ministra Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal (STF), encaminhou nesta terça-feira para a Polícia Federal o inquérito que investiga o presidente Jair Bolsonaro por possível crime de prevaricação no caso envolvendo suspeitas de irregularidades nas negociações para a compra da Covaxin, e a corporação poderá tomar o depoimento do chefe do Executivo, entre outras diligências a ser cumpridas no caso.

“A Secretaria Judiciária informa que, nesta data, os autos foram disponibilizados à autoridade policial”, afirma documento da Secretaria Judiciária do STF.

Na sexta-feira passada, Rosa Weber atendeu a um pedido da Procuradoria-Geral da República (PGR), cuja solicitação decorreu de notícia-crime enviada ao Supremo por senadores de oposição, que buscam a investigação da conduta de Bolsonaro.

De acordo com os parlamentares, o presidente não tomou providências após ser alertado pelo deputado Luis Miranda (DEM-DF) e pelo irmão dele, o servidor do Ministério da Saúde Luis Ricardo Miranda, sobre supostas irregularidades nas tratativas para compra de doses da vacina contra Covid-19 Covaxin.

Na sexta, a ministra do STF havia fixado prazo de 90 dias para a realização das investigações. Entre as diligências, a PGR quer ouvir todos os envolvidos no caso.

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).