Bares e restaurantes foram autorizados a reabrir a partir de hoje em São Paulo. Apesar da expectativa do setor, que estava proibido de atender ao público desde meados de março, o movimento foi considerado fraco por empresários ouvidos pelo 6 Minutos.

Como assim? Não foram todos os restaurantes que abriram hoje, apesar da autorização. Entre os que abriram, muitos tiveram movimento muito abaixo da média pré-pandemia. Esse é o caso de Cássio Hirota, sócio do Bendita Panelinha, no centro de São Paulo. “Reabrimos para ver como ia ser e foi fraquíssimo”, disse ele.

Mais algum problema adicional? Sim. Cássio disse que o delivery, que vinha cobrindo parte da receita perdida na pandemia, acabou caindo hoje. “Como os restaurantes reabriram, é provável que quem estava pedindo por delivery passou a sair para almoçar na rua.”

Já dá para medir como foi o dia de hoje? Ainda não. A Abrasel (associação de bares e restaurantes de São Paulo) ainda não fechou esse balanço.

Essa situação já era esperada? Sim. Primeiro porque muita gente ainda está em home office, então não precisa ir ao restaurante para almoçar. Em segundo, algumas pessoas ainda têm medo de sair de casa. Também pesa o fato de que a reabertura ao público aumenta o leque de escolha do cliente, que pode impactar o delivery.

Quais são as regras de funcionamento do setor?

  • Capacidade: 40% do local
  • Funcionamento: 6 horas diárias, até as 17h
  • Ambientes abertos ou ventilados
  • Uso de máscaras

Vai ter empresário de porta fechada por enquanto? Sim. Percival Maricato, presidente da Abrasel-SP, disse na semana passada que ainda existem muitas outras dúvidas sobre o retorno. “Muita gente não vai voltar de início, porque não sabe se vai valer a pena funcionar com tantas restrições. Outros não terão dinheiro para voltar, porque voltar envolve fazer compras.”

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu WhatsApp? É só entrar no grupo pelo link: https://6minutos.uol.com.br/whatsapp.