Ajustes de salário mínimo, secretário de Bolsonaro demitido após vídeo com referências nazistas, agenda de feriados, novo estímulo para concorrência no setor bancário e a fase 1 do acordo para uma trégua na guerra comercial entre China e Estados Unidos. Esses assuntos podem até parecer distantes entre si, mas em comum têm um ponto: mexem com seu bolso e com as perspectivas da economia no país. Veja um resumo das principais notícias do mundo da economia desta semana.

Novo salário mínimo será de R$ 1.045

Todo ano o ajuste do salário mínimo é feito com a proposta de ser maior que a inflação, de modo a garantir um aumento real. O governo já havia autorizado um ajuste de R$ 998 para R$ 1.039, a partir de 1ºde janeiro – alta de 4,10%. Mas o INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor), índice usado para calcular o ajuste salarial, foi de 4,48%. Ou seja, maior que o previsto pelo governo ao fazer o ajuste. Nesta semana, o presidente Jair Bolsonaro decidiu fazer um novo ajuste, para R$ 1.035.

Discurso com referências nazistas derruba secretário de Bolsonaro

A primeira semana de vida normal do governo Bolsonaro em 2020 ia chegando ao final sem nenhuma grande controvérsia. Ia. O cenário mudou na madrugada de sexta-feira (17), quando veio a público um vídeo do secretário especial da Cultura, Roberto Alvim, anunciando a criação de um prêmio para obras artísticas, em gravação com referências retóricas e estéticas ao nazismo.

No terreno da política, o impacto foi imediato. Pressionado por lideranças do Congresso, o presidente anunciou a demissão de Alvim no começo da tarde. Essa nova polêmica, no entanto, ainda pode respingar no seu bolso: segundo o jornal O Estado de S.Paulo, a equipe econômica teme que a repercussão da fala do ex-secretário dificulte a vida do Brasil no Fórum Econômico Mundial, em Davos. O ministro da Economia, Paulo Guedes, viajou à Suíça com o objetivo de atrair os tão sonhados investimentos estrangeiros que podem ajudar a movimentar a economia brasileira e gerar empregos. O discurso de Alvim foi condenado pela embaixada da Alemanha no Brasil e criticado pelos principais jornais dos Estados Unidos e da Europa.

2020 está cheio de feriados e você tem direitos sobre isso

O ano de 2020 tem seis feriados nacionais em segundas, terças, quintas ou sextas — o número de folgas pode chegar a nove, se considerados ainda a Sexta-Feira Santa, o Carnaval e o Corpus Christi. Isso significa alguns direitos tanto para contratados com carteira de trabalho quanto para os freelancers. Veja neste especial o que fazer na sua situação. Mas os feriados também impactam na movimentação do mercado. Veja aqui quanto o comércio pode “perder” no embalo da redução dos dias úteis.

EUA e China assinam fase 1 do acordo para trégua da guerra comercial

Depois de 18 meses de uma batalha tarifária que afetou em cheio o mercado global, China e Estados Unidos assinaram um acordo que dá uma maneirada e certa estabilidade na guerra comercial entre os dois países. No mercado global, a assinatura é um sinal de redução das incertezas. Veja aqui os termos do acordo e como isso afeta o Brasil.

Impostos federais e IR já podem ser pagos via bancos digitais

O seu pagamento de Imposto de Renda, IOF, PIS/ Cofins e guias de recolhimento da Previdência já podem ser nos aplicativos dos bancos digitais e fintechs. Até então, o débito só poderia ser feito no sistema de bancos com agências. A medida estimula a competitividade no setor bancário. Veja mais nesta reportagem.

Quer tirar suas dúvidas sobre o Imposto de Renda de 2021? Mande sua pergunta por e-mail (faleconosco@6minutos.com.br), Telegram (t.me/seisminutos) ou WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).