O Indicador Antecedente de Emprego (IAEmp) perdeu força no ritmo de recuperação em novembro, segundo dados divulgados pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) nesta segunda-feira (7).

O IAEmp recuou 0,4 ponto no mês passado, a 84,5 pontos. É a primeira queda após seis meses de avanço.

Por que isso é importante? O IAEmp é considerado um dos mais importantes para medir a saúde do mercado de trabalho no país, e costuma antecipar os índices oficiais divulgados pelo governo.

O resultado surpreendeu? É possível afirmar que o número decepcionou, mas dificuldades no mercado de trabalho são esperadas. Historicamente, o nível de emprego costuma ser o último a se recuperar em tempos de crise.

O que diz a FGV? A Fundação considera que o cenário do emprego no Brasil será “desafiador” para os próximos meses. “O resultado de novembro mostra que o IAEmp perdeu força no ritmo de recuperação acomodando antes de retornar a um patamar pré-pandemia”, disse o economista da FGV Ibre Rodolpho Tobler em nota. “É possível imaginar aumento da taxa de desemprego nos próximos meses”.

Pode me dar o contexto? O Brasil tinha 14,1 milhões de desempregados ao final do terceiro trimestre, com a taxa de desemprego em nova máxima recorde de 14,6%, reflexo do constante aumento da procura por trabalho após a flexibilização das medidas de contenção ao coronavírus, segundo os dados mais recentes do IBGE.

(Com Reuters)

Quer tirar suas dúvidas sobre o Imposto de Renda de 2021? Mande sua pergunta por e-mail (faleconosco@6minutos.com.br), Telegram (t.me/seisminutos) ou WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).