Com a aceleração da transformação digital por causa da pandemia e o avanço do marco legal das startups, empreender na área de tecnologia pode ser uma boa opção em 2021. Para facilitar o desenvolvimento do negócio, é bom estar próximo a investidores, mentores, aceleradoras, universidades, fundações de amparo à pesquisa, grandes empresas e potenciais clientes.

Assim são compostos os polos de inovação que concentram as startups, sendo o Vale do Silício, na Califórnia, o principal deles.

O Brasil também tem seus polos de inovação, onde se cria um ambiente favorável para os negócios inovadores. Os principais são em São Paulo, Florianópolis e Belo Horizonte, segundo José Muritiba, diretor executivo da ABStartups (Associação Brasileira de Startups). Mas todas as regiões do país têm seus pólos de destaque. Fora do Sudeste, há, por exemplo, o Rapadura Valley, em Fortaleza, que reúne 79 empresas e foi eleita a comunidade revelação em 2020 no Startup Awards, o prêmio da ABStartups.

“O ambiente de inovação no Brasil está amadurecendo. Em 2019, ficamos empatados com a Alemanha no terceiro lugar entre os países que mais geram novos unicórnios, atrás apenas de EUA e China. Até o final de novembro deste ano, já superamos o volume de investimentos e novos negócios do ano passado”, afirma Muritiba.

Veja abaixo os principais polos de inovação do Brasil, segundo a ABStartups, em todas as regiões:

Zeroonze startups – esse é o nome pelo qual é conhecida a comunidade de startups da capital paulista, a maior do país em número de empresas e em estágio de maturidade. “São Paulo tem mais gente, mais oportunidades, mais talentos, mais investimento. É onde o fluxo financeiro acontece, isso alavanca o ecossistema de inovação”, diz o diretor da ABStartups.

Startup SC – Florianópolis com frequência é citada como um case de sucesso no Brasil, pois há alguns anos a administração da cidade direcionou o seu plano gestor para a tecnologia e virou referência, segundo Muritiba. “A Universidade Federal de Santa Catarina é muito presente, junto com fundações, incubadoras, parques tecnológicos, toda uma estrutura que dá suporte ao empreendedor.”

San Pedro Valley – tem esse nome porque começou com foco no desenvolvimento do bairro de São Pedro, em Belo Horizonte, que ainda é sede de algumas startups locais. “Também é uma comunidade muito madura, com empresas milionárias, como a Hotmart e a Sympla”, pontua Muritiba.

Manguezal – É a principal comunidade de startups do Nordeste e fica em Recife. É impulsionada pelo Porto Digital, parque tecnológico que gera demanda para as soluções oferecidas pelas startups.

Rapadura Valley – fica em Fortaleza e foi eleita a comunidade revelação no Startup Awards 2020, prêmio da ABStartups. Segundo Muritiba, a região vem se destacando nos últimos dois anos com negócios como a Agenda Edu, edtech que foi vendida recentemente para um grande grupo de educação.

StartupGO – no Centro-Oeste, o destaque é o polo de Goiás, dedicado, principalmente, ao agronegócio, que é forte na região. “É um setor com muitas dores a serem solucionadas e com grande potencial de desenvolvimento”, diz o diretor da associação.

Jaraqui Valley – este é o polo de startups de Manaus. Na cidade, elas atuam, principalmente, no setor de biotecnologia, pela proximidade com a floresta, e em resolver problemas das grandes empresas do polo industrial.

Açaí Valley – Belém se destaca, ao lado de Manaus, no circuito econômico da região Norte. A Açaí Valley é uma comunidade bem ativa que tem como foco a realização de eventos para a comunidade empreendedora local.

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).