Milhares de pessoas que fizeram o pedido de auxílio-emergencial de R$ 600 ficarão sabendo a partir desta semana que a solicitação foi recusada. Até então, essas pessoas recebiam apenas a informação de que o requerimento estava em análise.

A novidade é que as pessoas que tiveram a solicitação rejeitada poderão contestar a decisão e fazer uma nova requisição.

Quais serão as respostas que serão dadas para esses casos? Haverá dois tipos de resposta:

  • Dados inconclusivos
  • Benefício não aprovado

O que poderá ser feito nessas situações? Depende da resposta:

  • No caso de os dados informados serem inconclusivos, o cidadão poderá fazer nova solicitação.
  • Para pedidos rejeitados, a pessoa poderá contestar essa informação

Quem tem direito a esse auxílio? Podem requerer o benefício trabalhadores informais, MEIs (microempreendedores individuais), autônomos, desempregados. Pessoas que já recebem o Bolsa Família também têm direito ao benefício.

Quais motivos levam o pedido ser considerado com dados inconclusivos? Na maioria das vezes, houve preenchimento errado ou insuficiente do cadastro. Entre os motivos citados pela Caixa Econômica Federal estão:

  • marcação como chefe de família sem indicação de nenhum membro;
  • falta de inserção da informação de sexo;
  • inserção incorreta de dados de membro da família, como CPF e data de nascimento;
  • divergência de cadastramento entre membros da mesma família;
  • inclusão de alguma pessoa da família com indicativo de óbito.

Quem não pode pedir de novo? Estão nessa situação pessoas com trabalho formal (registrado em carteira) e servidores públicos. O benefício emergencial não se destina a essas pessoas.

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).