A crise do coronavírus reduziu os ganhos dos MEIs (microempreendedores individuais). Antes da pandemia, apenas 2% dos MEIs recebiam menos de R$ 1.000 por mês. Após o coronavírus, esse percentual subiu para 37%, segundo pesquisa realizada pela Neon em parceria com o venture capital americano Flourish Ventures, com a ajuda da empresa 60 Decibels.

Como afetou a renda dos que ganhavam mais? Antes da pandemia, 24% faturavam mais de R$ 3.000 mensais antes da pandemia. Esse percentual caiu para 3% após a crise.

Quais os MEIs mais afetados? Foram os motoristas de aplicativo, profissionais de beleza e vendedores que trabalham na rua.

O que motivou a queda na renda? As principais causas citadas foram:

  • Diminuição nas vendas (48%)
  • Perda de emprego (31%)
  • Fechamento do negócio (19%)

Quais os efeitos da redução da renda? Para 38%, a vida piorou muito e para 39%, piorou um pouco. Entre aqueles para quem a vida piorou, 21% disseram ter dificuldades em pagar as contas e 8% têm passado por episódios de ansiedade.

Como os MEIs estão se virando? Está todo mundo se virando nos 30. Há motoristas de aplicativo fazendo máscaras ou profissionais de beleza que agora atendem em casa em vez de no salão, por exemplo.

Que medidas financeiras foram tomadas? Mais de 50% tirou dinheiro da poupança para sobreviver. A outra metade cortou gastos com comida e despesas com contas da casa.

Outros 37% tentaram uma fonte de renda extra.

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).