O Índice Geral de Preços-Mercado (IGP-M) desacelerou a alta a 3,23% em outubro depois de subir 4,34% em setembro, com o arrefecimento da alta no atacado compensando a maior pressão para o consumidor.

O dado divulgado nesta quinta-feira pela Fundação Getulio Vargas (FGV) ficou ligeiramente acima da expectativa em pesquisa da Reuters de alta de 3,10% no mês.

O Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA), que responde por 60% do índice geral e apura a variação dos preços no atacado, passou a subir 4,15% em outubro, depois de avançar 5,92% no mês anterior.

Esse resultado foi influenciado principalmente pelo minério de ferro, cujos preços passaram a cair 0,71% após alta de 10,81% antes. Com isso a alta das Matérias-Primas Brutas arrefeceu de 10,23% para 5,55%.

O Índice de Preços ao Consumidor (IPC), com peso de 30% sobre o índice geral, acelerou por sua vez a alta no mês a 0,77%, de 0,64% em setembro.

A principal contribuição partiu do grupo Educação, Leitura e Recreação, que subiu 3,10% em outubro de 1,73% no mês anterior, com destaque para a alta de 34,21% da passagem aérea, de 23,74%.

O Índice Nacional de Custo de Construção (INCC), por sua vez, subiu 1,69% em outubro, abaixo da alta de 1,15% no mês anterior.

O IGP-M é utilizado como referência para a correção de valores de contratos, como os de aluguel de imóveis.

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).