A cotação da soja do Brasil está a poucos reais de bater um recorde histórico, registrado em 2012, após o preço ter subido cerca de 10% no acumulado do mês devido ao momento de baixa oferta e de início de plantio da temporada 2020/21, de acordo com dados do centro de estudos Cepea.

A soja atingiu R$ 150,86 por saca na quinta-feira (24) na praça de referência de Paranaguá (PR), versus uma máxima histórica de R$ 153,40 por saca do dia 31 de agosto de 2012, que considera a inflação do período.

O ano de 2012, recorde real de preço no país até o momento, foi marcado por uma seca em Estados do Sul do Brasil e países da América do Sul. Naquela temporada (2011/12), a safra brasileira caiu 12% ante o ano anterior, em meio ao fenômeno La Niña.

Em 2012, contudo, a máxima histórica foi registrada após uma frustração climática. Em 2020, o Brasil, maior produtor e exportador global da oleaginosa, colheu um volume recorde.

Mas preços nacionais são sustentados por baixos estoques após o país ter realizado grandes exportações e extremamente concentradas –impulsionadas pelo câmbio–, que deixaram pouco produto para ser embarcado até o final do ano, conforme indicam as projeções de especialistas.

Com uma alta do dólar e da bolsa de Chicago nesta sexta-feira, as condições são propícias para uma nova elevação no indicador do Cepea medido em Paranaguá. O preço é divulgado mais tarde no dia.

A soja deve ser mais um dos produtos agrícolas do Brasil a marcar em 2020 uma máxima histórica real, que considera a inflação, de acordo com os dados do Cepea, que já indicaram anteriormente cotações históricas para o boi, bezerro, suíno, arroz e leite.

VENDAS ANTECIPADAS

Enquanto o mercado lida com baixos estoques, disse o Cepea em análise nesta sexta-feira, os agentes seguem efetivando contratos antecipados, com dados apontando que cerca de 60% da oferta esperada para a temporada 2020/21 já foi comercializada no Brasil.

“Certamente, a venda antecipada dará suporte aos preços no Brasil no médio prazo, deixando pouco espaço para quedas bruscas, mesmo com possível safra recorde”, destacou o centro de estudos.

Se a média diária está a caminho de um novo recorde, a média mensal parcial do indicador em setembro está em R$ 136,90, a maior desde setembro de 2012, quando atingiu recorde real, de R$ 144,59/saca.

“Vale destacar que os preços no interior também estão em alta, operando na casa de R$ 150/saca em regiões do Centro-Oeste, mas são valores nominais, ou seja, com quase nenhuma efetivação”, diante da baixa oferta, segundo o Cepea

Segundo o Cepea, a alta do grão segue desafiando as indústrias brasileiras.

“O lado bom é que esses demandantes indicam estar conseguindo repassar a valorização do grão aos derivados, diante da firme procura por farelo e óleo de soja. Inclusive, o prêmio de exportação de óleo de soja, referente ao embarque em outubro/20, voltou a ser ofertando acima de US$ 0,95/libra-peso no dia 24, acima dos US$ 0,52/libra-peso na quinta-feira anterior.”

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu WhatsApp? É só entrar no grupo pelo link: https://6minutos.uol.com.br/whatsapp.