O PIX, nome do sistema brasileiro de pagamentos instantâneos, pode acabar com uma das principais dores do e-commerce: as transações com boleto bancário. Hoje, cerca de metade das compras com boleto não são concluídas. Isso acontece porque o cliente faz o pedido, mas não paga. A simples desistência gera um custo para o vendedor online.

“O cliente que faz o pedido, mas não paga o boleto gera um custo de logística para o e-commerce. Porque assim que a compra é concluída, o e-commerce tem que bloquear o produto para não vender para outra pessoa”, diz Carlos Netto, CEO da Matera, empresa de soluções para o sistema financeiro.

Em datas como a Black Friday, isso gera muito prejuízo para o comerciante online. “São vendas que deixam de ser efetivadas. Por isso, alguns e-commerces deixam de vender com boleto na Black Friday”, afirma Netto.

O Mercado Livre, maior marketplace do país, conhece de perto esse problema. “Os pedidos feitos no fim de semana geram muita pressão sobre a área de logística. Só temos a confirmação dos pagamentos na segunda-feira”, diz Rodrigo Furiato, diretor de carteira digital do Mercado Pago.

Por que o PIX acaba com essa dor do boleto? Porque ele vai funcionar como um pagamento no débito. Ao escolher pagar pelo PIX, o pagamento é concluído na hora. Para o e-commerce, deixa de existir a espera pela confirmação do pagamento com boleto.

Para o lado do cliente, deixa de existir a possibilidade de deixar para depois. “Pagou, tá pago. Não tem essa de deixar para pagar no dia seguinte”, afirma Netto.

Existem outros ganhos? O CEO da Matera diz que sim. Um deles é imediato: é a possibilidade de acelerar o prazo de entrega. “Como a confirmação do pagamento já sai na hora, fica muito mais fácil administrar a logística de entrega.”

Mas o mais importante deles é permitir que pessoas sem cartão possam efetuar compras pelo e-commerce. “Hoje, ao efetuar a compra, o consumidor tem a possibilidade de pagar com cartão ou boleto. Quem não tem cartão de crédito fica excluído desse universo”, diz Netto.

“A experiência de compra vai melhorar muito com o PIX. As pessoas sem cartão não conseguem fazer compras hoje de forma amigável”, afirma Furiato.

Que possibilidades o varejo digital terá com o PIX? Há redução de custo para o varejista que aceitar pagamentos com PIX. Hoje, ao receber com cartão, o comerciante para uma taxa por transação efetuada. Com o PIX, isso ficará muito mais barato. “Não é só uma questão de taxa, o dinheiro entra na conta no ato da venda. No cartão, entra dias depois. Isso gera um custo operacional para o estabelecimento”, afirma Netto.

Esse ganho pode ser revertido para o cliente. “Isso abre a possibilidade de o varejo dar descontos para quem pagar com PIX. Já ouvi de alguns marketplaces que o plano é dar descontos de até 15% para quem pagar com PIX na Black Friday deste ano. É dessa forma que se cria um hábito: o consumidor começa a usar para ter o desconto, se acostuma e passa a usar”, afirma Netto.

Em que pé está o PIX? O Banco Central informou que o cadastramento de chaves do PIX começa em 5 de outubro. Traduzindo: “chave” é o nome dado para dados dos clientes, como número de CPF, celular ou e-mail. As chaves servirão para identificação dos pagamentos.

O plano é que o PIX esteja disponível para todo o país a partir de 16 de novembro.

Como serão os pagamentos com PIX? Para as pessoas físicas, os pagamentos poderão ser feitos pelo app do seu banco ou carteira digital. Basta abrir o app do banco e ler o QR Code do PIX. No e-commerce, a opção aparecerá na tela do usuário. Também será possível  utilizar links de pagamentos.

Para o lojista, ele terá um QR Code em seu estabelecimento que permitirá que o pagamento efetuado vá direito para sua conta.

Quais as vantagens em relação aos pagamentos existentes hoje? O PIX vai ser mais barato que o TED e o DOC, com a vantagem adicional de poder ser realizado instantaneamente 24 horas por dia, sete dias por semana. O custo da transação será gratuito para pagadores. Recebedores vão pagar uma taxa menor que as cobradas hoje pelos cartões. Para as instituições financeiras, haverá um custo mínimo.

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).