SÃO PAULO (Reuters) – A Petrobras disse que enviou questionamentos ao governo sobre declaração do presidente Jair Bolsonaro, que disse na quarta-feira que um reajuste de 39% praticado pela estatal no preço do gás para distribuidoras é “inadmissível” e que poderia haver mudanças na política de preços da companhia.

“A Petrobras… informa que indagou o seu acionista controlador, por meio do Ministério de Minas e Energia, ao qual a companhia está vinculada, de acordo com a Lei 9.478/1997, sobre a existência de informações relevantes que deveriam ser divulgadas ao mercado”, afirmou, em comunicado ao mercado na noite de quarta-feira.

“Até o momento, a companhia não recebeu resposta do MME”, acrescentou a Petrobras no comunicado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

Em suas declarações, durante discurso em Foz do Iguaçu (PR), Bolsonaro lançou dúvidas sobre os contratos de fornecimento de gás da Petrobras devido a reajuste anunciado para a partir de 1° de maio.

“É inadmissível! Que contratos são esses? Que acordos foram esses? Foram feitos pensando no Brasil?”, afirmou o presidente da República.

“Não vou interferir, a imprensa vai dizer o contrário. Mas podemos mudar essa política de preço lá”, acrescentou ele.

Recentemente, Bolsonaro decidiu retirar Roberto Castello Branco do cargo de presidente-executivo da Petrobras em meio a divergências sobre a política de preços de combustíveis adotadas pela estatal. Ele indicou à posição o general da reserva Joaquim Silva a Luna, que ocupava a diretoria-geral brasileira de Itaipu Binacional.

(Por Luciano Costa; Edição de Eduardo Simões)

Quer tirar suas dúvidas sobre o Imposto de Renda de 2021? Mande sua pergunta por e-mail (faleconosco@6minutos.com.br), Telegram (t.me/seisminutos) ou WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).