O auxílio emergencial também foi usado para o pagamento de dívidas. Isso é o que indica estudo realizado pela BLU365, especialista em recuperação de crédito de pessoas físicas, com 15 milhões de clientes.

De acordo com o estudo, o número de negociação e pagamento de dívidas foi 10% maior no grupo de pessoas que receberam o auxílio emergencial em comparação que não receberam.

Um diferencial é que a dívida média de quem recebeu a ajuda é de R$ 476, menor do que dos que não receberam (R$ 510).

Que mais a pesquisa descobriu? Que o número de pessoas que receberam o auxílio foi 26% maior entre aqueles que estão com dívidas em atraso de até 30 dias e 10% maior em consumidores com dívidas em atraso acima de 540 dias.

Deu pra verificar o perfil dos beneficiários? Um pouco: 80% das pessoas que receberam a ajuda do governo têm renda estimada de até 2 salários-mínimos. Cerca de 45% da base de clientes da BLU365 recebeu o auxílio emergencial e destes, 45% são beneficiários do bolsa-família. 33% são mulheres chefes de família e receberam R$ 1200/mês.

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu WhatsApp? É só entrar no grupo pelo link: https://6minutos.uol.com.br/whatsapp.