Por Ana Mano

SÃO PAULO (Reuters) – A escassez de gado pronto para abate continuará pressionando os processadores brasileiros de carne bovina por pelo menos um ano, disse o analista da Safras & Mercado Fernando Iglesias, em apresentação nesta quinta-feira.

A oferta apertada, causada pelo abate de vacas e a forte demanda por carne bovina em mercados como a China, levou empresas a paralisar temporariamente as operações e dispensar funcionários em Estados como Goiás, Rondônia, São Paulo, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, disse ele.

O preço da arroba bovina subiu para 315 reais esta semana, patamar recorde.

“A oferta está muito apertada”, disse Iglesias. “Apenas processadores de carne com licenças para vender para a China podem pagar.”

O mercado apertado atinge empresas como JBS,Marfrig e Minerva, que operam nos mercados interno e de exportação.

Nas últimas semanas, grupos comerciais que representam os frigoríficos começaram a fazer lobby junto ao Ministério da Agricultura para obter autorização para importar gado vivo do Paraguai como forma de continuar o abate em meio à oferta restrita.

Iglesias disse que a disponibilidade de gado no Brasil pode melhorar no próximo ano.

Ele previu que o Brasil abaterá 31,585 milhões de cabeças degado em 2021, um aumento anual de 0,4%.

Em comparação, o abate de gado caiu 9% no ano passado ante 2019, para 31,471 milhões de cabeças, segundo dados da Safras.

((Tradução Redação São Paulo 55 11 56447751))REUTERS RS

Quer tirar suas dúvidas sobre o Imposto de Renda de 2021? Mande sua pergunta por e-mail (faleconosco@6minutos.com.br), Telegram (t.me/seisminutos) ou WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).