PARIS (Reuters) – Partidos políticos de Nova Caledônia chegaram a acordo nesta quinta-feira sobre novos termos para a venda do negócio local de níquel da Vale, o que inclui uma proposta para que o território francês mantenha fatia majoritária no ativo, em uma tentativa de resolver disputas em torno dos planos de desinvestimento da mineradora brasileira.

A decisão da Vale no ano passado de vender sua operação de mineração e processamento de níquel no território francês no Pacífico, para um consórcio incluindo a trading suíça Trafigura, recebeu forte oposição de grupos que lutam por independência.

Violentos protestos levaram a Vale a fechar as instalações em dezembro.

Pelo acordo desta quinta-feira, líderes tanto de partidos pró-independência quanto de alinhados aos legalistas propuseram que uma fatia de 51% nas operações da Vale fique sob propriedade de autoridades de províncias de Nova Caledônia e outras entidades locais.

A Trafigura teria 19% no ativo, menos que os 25% planejados no negócio inicial com a Vale sobre a venda.

Um comunicado divulgado por partidos políticos de Nova Caledônia também mencionou uma “parceria técnica e industrial” com a Tesla, sob a qual a fabricante de carros elétricos poderia obter matérias-primas para baterias.

A Trafigura recebeu bem o acordo.

“Estamos ansiosos para retomar as operações e para a conclusão final da transação o mais rápido possível”, disse um porta-voz da Trafigura.

Vale e Tesla não responderam de imediato a pedidos de comentário.

Nova Caledônia é a quarta maior produtora de níquel do mundo, atrás de Indonésia, Filipinas e Rússia.

A demanda por níquel, utilizado na fabricação de aço inoxidável, deve crescer rapidamente devido à demanda por baterias para veículos elétricos.

((Tradução Redação São Paulo, 55 11 5644 7519)) REUTERS LC RS

Quer tirar suas dúvidas sobre o Imposto de Renda de 2021? Mande sua pergunta por e-mail (faleconosco@6minutos.com.br), Telegram (t.me/seisminutos) ou WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).