Com 84% dos votos apurados, os candidatos independentes superam os partidos tradicionais e lideram as eleições que vão definir os 155 assentos da Assembleia Constituinte do Chile. Os eleitos vão elaborar uma nova Constituição, para substituir a Carta que vigora desde a ditadura militar.

“Os cidadãos nos enviaram uma mensagem clara e forte ao governo e também a todas as forças políticas tradicionais: não estamos nos sintonizando adequadamente com as demandas e desejos de cidadania”, disse, em discurso ao país, o presidente do Chile, Sebastián Piñera.

Atrás dos independentes, vêm candidatos de esquerda, seguidos por nomes da direita conservadora e por políticos da centro-esquerda.

Fonte: Associated Press.

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).