O prazo para cadastramento das chaves do PIX começa oficialmente nesta segunda-feira (dia 05). Para quem não sabe, PIX é o nome do novo sistema de pagamentos instantâneos, que começa a funcionar a partir de 16 de novembro no país. E as chaves são a forma de facilitar a identificação da conta de quem vai receber transferências ou pagamentos por esse sistema.

Para ajudar o leitor a entender mais sobre esse novo sistema, o 6 Minutos consultou o Banco Central e conversou com diversos especialistas no tema. Leia abaixo nosso guia com perguntas e respostas:

Como funcionam essas chaves? A chave é uma forma de identificar a conta de quem está recebendo dinheiro por meio do PIX. Hoje, ao fazer uma transferência para uma conta de outro banco é preciso digitar uma série de dados da outra pessoa, como nome, CPF, número da conta e da agência. Com o PIX, será necessário digitar apenas uma chave – aquela que a pessoa cadastrou no banco.

“Ao cadastrar o CPF como chave, esse número vai ser atribuído a uma conta. Esse será o único dado necessário para transferir dinheiro para essa pessoa”, diz Manoel Alexandre Bueno e Silva, head do Capco Digital Lab São Paulo.

Quais são as chaves do PIX? As pessoas físicas podem cadastrar até cinco chaves para identificação das contas. São elas: o endereço de e-mail, os números do telefone celular, do CPF ou um conjunto aleatório com números, letras e símbolos.

“A combinação aleatória de números será fornecida pelo BC, não é o usuário que escolhe. Não é um número memorizável. É uma chave que deve ser mais usada por pessoas jurídicas que não querem informar o CNPJ”, afirma Carlos Netto, CEO da Matera.

Precisa cadastrar todas essas chaves? Não. Cada pessoa escolhe qual e quantas chaves vai cadastrar e em qual instituição o cadastramento será feito. Se quiser, pode cadastrar só uma chave em um único banco. Também pode cadastrar mais de uma chave em bancos diferentes. “Só não pode cadastrar a mesma chave, como o CPF, em vários bancos”, diz Nayra Bruno, gerente de operações da Rebel.

E quem tem conta em mais de um banco? O cliente decide em qual instituição vai cadastrar sua chave. A orientação é cadastrar no banco com quem mais tem relacionamento. Alguns bancos deram incentivos para o pré-cadastro. O C6 Bank, por exemplo deu pontos no seu programa de fidelidade para clientes que fizeram o pré-cadastro de chaves na instituição.

“O ideal é que a pessoa cadastre a chave no banco em que tem a conta que movimenta mais. Os bancos que criarem mais serviços atrelados ao PIX vão se destacar”, diz Letícia Murakawa, diretora executiva da Capco.

Mas e quem já fez o pré-cadastro? Vai ter que cadastrar de novo. “Qualquer autorização dada pelo cliente em sistemáticas de pré-cadastros não será aceita como o consentimento para o cadastro da chave”, informou o Banco Central.

Todo banco vai oferecer cadastro a partir de segunda? Não. “Só poderão disponibilizar a funcionalidade de cadastro das chaves no aplicativo as instituições que tiverem realizado com sucesso todos os testes com o Banco Central”, afirma o BC.

Dá para trocar minha chave de um banco para outro? Sim. Ninguém precisa ficar amarrado o resto de vida na mesma instituição. A portabilidade de chaves deverá ser oferecida de maneira simplificada para os clientes.

É obrigatório cadastrar essas chaves? Não, mas é recomendável. Quem não cadastrar a chave continuará recebendo transferências da maneira convencional, ou seja, informando o número da conta e da agência para a outra pessoa.

“Não é obrigatório, mas é bom cadastrar ao menos uma chave. Por segurança, para vincular aquela chave a sua conta. E ter a chave só facilita na hora de receber transferências”, afirma Netto, da Matera.

Os pagadores vão preferir transferir por PIX? Sim, já que pessoas físicas não pagarão tarifas para transferir para outras pessoas. Hoje, transferências por TED e DOC custam cerca de R$ 10, dependendo do pacote de tarifas e da instituição.

E que vantagem o recebedor tem com o PIX? A principal delas é a possibilidade de receber dinheiro instantaneamente em qualquer dia e horário da semana. Transferências com DOC podem levar dias para ser compensadas e não são realizadas aos fins de semana. A TED é mais rápida, mas também não pode ser feita aos fins de semana e feriados.

Vai dar para confirmar os dados da transferência? Sim. Depois de digitar a chave do PIX, o app do banco vai pedir a confirmação da transferência, mostrando o nome e o número da conta da outra pessoa. “Essa confirmação é importante, porque dará a chance da pessoa checar se a transferência está indo para a pessoa certa”, afirma Nayra Bruno, da Rebel.

Que outra vantagem vai ter? Como uma das chaves é o número do celular, vai ser possível pegar esse dado diretamente da agenda do telefone.

O PIX vai pegar? Para Neto, da Matera, a lista de instituições autorizadas a fazer o cadastramento de chaves dá a noção do peso que o PIX no dia a dia das pessoas. São mais de 600 instituições.

“Essa é a lista dos que já passaram nos testes do BC para operar o PIX. É a lista de bancos que investiram em tecnologia para oferecer esse serviço.”

Que cuidados tomar? Nayra diz que é preciso tomar cuidado para fazer o cadastramento nos apps oficiais das instituições. “Não clique em convites de cadastramento que chegam por WhatsApp, e-mail ou redes sociais. O caminho mais seguro é o app oficial do banco.”

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).