Por Ricardo Brito

BRASÍLIA (Reuters) – O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, afirmou nesta segunda-feira de manhã que “não há pressa” em desobrigar o uso de máscaras em meio à pandemia de Covid-19 no Brasil e destacou que a medida será adotada com base na ciência.

Há quase um mês, o presidente Jair Bolsonaro disse que o ministro iria emitir um parecer para liberar o uso da proteção facial para pessoas já vacinadas ou que já contraíram a doença, mesmo diante do alto índice de contaminação e mortes por Covid no país e da demora no avanço da vacinação.

O presidente também disse na ocasião, de forma errada, que pessoas já vacinadas contra a Covid não transmitem a doença. Especialistas nacionais e internacionais de saúde afirmam o contrário e recomendam a manutenção do uso de máscara mesmo após a vacinação.

“Primeiro é necessário fazer um estudo científico. Depois que vem o estudo, aí o parecer é emitido. Não há pressa para se fazer isso. Isso tem que ser feito com base na ciência, o que temos defendido de forma reiterada”, disse Queiroga quando indagado por jornalistas sobre o assunto.

“O Departamento de Ciência e Tecnologia, da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos está trabalhando com essa solicitação que foi feita pelo presidente da República”, acrescentou.

A manifestação de Queiroga ocorreu após ele ter visitado uma unidade de saúde de Brasília em que vacinou contra a Covid-19 ministros do governo, como o titular da Infraestrutura, Tarcísio Freitas.

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).