O banco central da Turquia aumentou inesperadamente sua taxa de juros em 200 pontos-base nesta quinta-feira, a 10,25%, seu primeiro aperto da política monetária em dois anos depois que a lira atingiu uma série de mínimas recordes e a inflação permaneceu presa nos dois dígitos.

A lira chegou a cair até 23% em relação ao dólar no ano, à medida que aumentavam as preocupações com as reservas esgotadas do banco central, as caras intervenções do governo no mercado cambial e o aumento da demanda turca por moedas fortes.

O banco — que se esperava que mantivesse a política monetária — disse que uma rápida recuperação econômica diante do choque inicial do coronavírus manteve os preços elevados.

“A inflação seguiu um caminho acima do previsto”, disse o comitê de política monetária do banco central. “As medidas de aperto tomadas desde agosto devem ser reforçadas a fim de conter as expectativas de inflação (e) restaurar o processo de desinflação”, disse o documento, referindo-se a recentes movimentos discretos para restringir a oferta de moeda.

Apenas três de 17 economistas consultados em pesquisa da Reuters previam alta dos juros pelo banco central nesta quinta-feira, em parte por causa da pressão do governo do presidente Tayyip Erdogan por estímulo.

A lira chegou a saltar para 7,56 em relação ao dólar após o anúncio de juros, ante patamar de cerca de 7,71 anteriormente.

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu WhatsApp? É só entrar no grupo pelo link: https://6minutos.uol.com.br/whatsapp.