A cesta de compras da Black Friday brasileira de 2021 incorporou itens que não fazem parte da tradição desta data do varejo. Segundo levantamento realizado pelo Google Shopping, os alimentos estiveram entre os principais condutores de intenção de compra na internet.

Das 15h às 17h desta quinta-feira (25), véspera do dia que marca o início oficial do festival de ofertas, a procura por picanha, por exemplo, cresceu 75%, de acordo com dados da pesquisa.

Na visão da analista de insights para o Varejo do Google Brasil Antonella Weyler, o fenômeno está associado ao momento desafiador da economia brasileira, cujos indicadores têm dado sinais de piora nos últimos meses.

“Temos observado que a Black Friday tem servido para concretizar alguns desejos de consumo mais simples neste cenário de maior aperto financeiro das famílias. O principal sinal disso é a participação massiva dos supermercados. Produtos para bebês e alimentos têm sido uma tendência nova, apesar de moda e tecnologia ainda liderarem.”

No período das 8h às 10h desta sexta-feira (26), as buscas por Yopro, uma bebida à base de leite, e por arroz cresceram 527% e 513%, respectivamente. A procura por manteiga aumentou em 450% e por frutas, 464% (veja abaixo).

  • Yopro: +527%
  • Arroz: +513%
  • Marshmallow: +491%
  • Frutas: +464%
  • Manteiga: +450%
  • Pitaya: +450%
  • Cupcake: +418%
  • Pimenta rosa: +417%
  • Geléia: +411%
  • Morango: +400%

Para o gerente de Insights Analytics da companhia no Brasil, Rodrigo Chamorro, a entrada do varejo alimentar indica a consolidação da Black Friday no Brasil. A diversificação da cesta de produtos é consequência também do aumento do número de empreendedores digitais presentes nas plataformas desde o início da pandemia, avalia ele.

“Isso vem, em parte, da demanda dos consumidores e, em parte, dos estímulos para a participação do varejo como um todo. Com a pandemia, muitas pessoas começaram a vender online por meio de grandes marketplaces, o que contribui para a maior gama de produtos disponíveis.”

Para quem quer comprar carne, a Marfrig realiza neste ano a primeira Black Friday do app Bassi. Até o dia 28 de novembro, o aplicativo terá descontos de R$ 50 nas carnes de origem animal e vegetal.

O Pão de Açúcar direcionou sua Black Friday em categorias nas quais já é referência no varejo alimentar, como vinhos e espumantes, destilados, cervejas especiais, cafés e alimentos.

Produtos de tecnologia lideram intenções de compra

Os smartphones ultrapassaram os artigos de moda em intenções de compra nesta sexta-feira. No dia anterior, as roupas lideravam os rankings de busca da plataforma.

“Essa flutuação é normal. As buscas costumam variar conforme o pico das ofertas se aproxima. Os eletrônicos são muito fortes na Black Friday. Quando chega a hora da virada, os termos buscados ficam menos genéricos, e a spessoas passam a buscar aquilo que elas realmente querem”, explica Antonella.

Entre as 23h de quinta-feira e a 1h de sexta-feira, período que marca a entrada oficial na data, houve um salto nas buscas pelos celulares e os termos utilizados pelos consumidores tornaram-se mais específicos. “Iphone 11 64 gb preto” e “Iphone 12 128 gb roxo wd 6000” cresceram 195% e 185%, respectivamente neste recorte, seguido pelo “Samsung Galaxy Watch 4”, cuja procura aumentou 163%.

“Os modelos mais antigos foram aqueles que destacaram, porque geralmente as lojas oferecem promoções maiores em produtos anteriores aos lançamentos recentes.”

As roupas estiveram no topo do ranking de crescimento de intenções de compra registradas pelo Google entre 11h e 13h de quinta-feira (25), O interesse pelos artigos de moda subiu 237%.

No ano passado, quando o Brasil ainda vivia período agudo da pandemia do novo coronavírus, utensílios domésticos lideraram as buscas dos consumidores. De acordo com o gerente de Insights Analytics da companhia no Brasil, Rodrigo Chamorro, a mudança se deve à retomada das interações sociais e ao momento desafiador da economia do país.

“Muitos produtos estão ligados à retomada da vida social, como roupas para sair à noite e vinho para os jantares com os amigos. No ano passado, víamos busca por coisas para a casa e reforma para a casa”, lembra.

Os produtos de tecnologia são uma das categorias mais cobiçadas desde que o Brasil importou a Black Friday. Neste ano, no entanto, itens de valor mais baixo, como os relógios inteligentes e os conversores que conectam a televisão à internet, têm se destacado um pouco mais, em detrimento das TVs, dos smartphones e dos computadores.

“Existem dois fatores que explicam isso. O primeiro é o momento da economia brasileira, que pode fazer com que pessoas dêem preferência a produtos com tíquete médio menor. Outro é a possibilidade de as pessoas estarem esperando o ápice da Black Friday, que é amanhã, para procurar produtos mais caros com descontos maiores”, explica.

O preço nem sempre é o único incentivo às compras da Black Friday. Na comparação com 2020, o cashback foi a condição comercial que mais cresceu, com avanço de 38%, enquanto promoção e frete rápido recuaram 4% e 17%, respectivamente.

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).