Por P.J. Huffstutter

CHICAGO (Reuters) – Os contratos futuros do milho em Chicago caíram para uma mínima de quatro semanas nesta quarta-feira, já que os mercados de grãos continuaram a sentir pressão das previsões de oferta dos Estados Unidos maiores do que o esperado, disseram traders.

Os futuros da soja caíram ainda mais, um dia depois que o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA, na sigla em inglês) projetou que os estoques finais de soja e milho dos Estados Unidos estavam acima da média das estimativas dos analistas.

Os exportadores dos EUA venderam 330 mil toneladas de soja para entrega à China durante o ano de comercialização de 2021/2022 e 161.544 toneladas de milho para entrega a destinos desconhecidos durante o mesmo período, de acordo com o USDA.

“A safra de milho está melhor do que pensávamos e não estamos vendo a China comprando muita coisa”, disse Setzer. “No momento, o comércio não acredita nos números da demanda de milho do USDA, e temos uma safra enorme chegando nesta colheita.”

Na bolsa de Chicago, o contrato mais ativo do milho fechou o dia em queda de 10,25 centavos de dólar, a 5,1225 dólares. No início da sessão, os preços caíram para a mínima desde 10 de setembro.

O trigo fechou em queda de 15,25 centavos de dólar, a 7,1875 dólares o bushel.

O contrato mais ativo da soja fechou o dia em queda de 3 centavos de dólar, para 11,9525 dólares o bushel, continuando a pairar nas mínimas desde dezembro de 2020.

(Reportagem de Gus Trompiz em Paris e Naveen Thukral em Cingapura)

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).