Por Christopher Walljasper

CHICAGO (Reuters) – Os contratos futuros do milho negociados em Chicago avançaram nesta quarta-feira, apoiados pela força do mercado de petróleo e pelas cotações do trigo.

O trigo subiu em momento que a Rússia se une à França e ao Canadá nesta semana para reduzir sua previsão de produção do cereal, enquanto há forte demanda global.

A soja também avançou, embora os ganhos tenham sido limitados, já que as exportações canceladas dos portos da Costa do Golfo dos EUA, danificados pelo furacão Ida, pesaram sobre os futuros.

O contrato mais ativo do milho fechou em alta de 13,25 centavos de dólar, em 5,3350 dólares o bushel, avançando 2,55%, seu maior ganho diário desde 14 de julho.

A soja avançou 12 centavos de dólar para encerrar em 12,9450 dólares o bushel e o trigo subiu 11,50 centavos de dólar para 7,1225 dólares o bushel.

O milho, uma matéria-prima para o combustível etanol, seguiu a alta do petróleo, uma vez que o Brent fechou com avanço de 2,6% e os estoques de etanol recuaram.

“A Rússia, o Canadá e a França – todos os três países reduziram suas produções em certa medida”, disse Dan Hussey, estrategista sênior de mercado do Zaner Group.

“Junte isso com a redução do WASDE (relatório de oferta e demanda do USDA) na sexta-feira na produção dos EUA, está apertando o equilíbrio global.”

(Reportagem de Christopher Walljasper)

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).