Por Cassandra Garrison

CIDADE DO MÉXICO (Reuters) – Uma longa seca que já afetou dois terços do México parece prestes a piorar nas próximas semanas, com previsões alertando para altas temperaturas, danos às safras e escassez de água no horizonte, inclusive na populosa capital do país.

Especialistas estão soando o alarme para a possibilidade de que as culturas ressecadas resultem em uma produção menor, após as temperaturas terem atingido 40 graus Celsius em algumas partes do norte do México na quarta-feira, incluindo importantes áreas agrícolas.

“Em alguns Estados, a irrigação praticamente desapareceu devido à falta de chuvas”, disse Rafael Sanchez Bravo, especialista em águas da Universidade Autônoma de Chapingo, chamando atenção para os baixos níveis de reservatórios e a menor transferência de água para as fazendas.

A seca do México é semelhante à registrada no oeste dos Estados Unidos e Canadá, onde a produtividade das safras está ameaçada e o racionamento de água foi imposto.

Embora no ano passado as chuvas tenham ficado apenas 3% abaixo da média no México, a pressão sobre as reservas de água foi exacerbada por um aumento na demanda doméstica durante a pandemia de Covid-19, de acordo com um relatório publicado pelo governo dos EUA no mês passado.

Agora, as esperanças de reabastecimento dos reservatórios mexicanos dependem do tradicional período chuvoso do país, conhecido formalmente como as Monções Norte-Americanas, que já está em andamento.

“Os próximos três meses serão realmente cruciais para o resultado desta seca”, afirmou Andreas Prein, cientista atmosférico do Centro Nacional de Pesquisas Atmosféricas de Boulder, Colorado.

(Reportagem adicional de David Alire Garcia)

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).