A BlackRock, maior gestora de ativos do mundo, superou as estimativas de lucro dos analistas pelo quinto trimestre consecutivo nesta terça-feira, com a recuperação dos mercados financeiros globais aumentando os valores dos ativos e atraindo mais recursos de investidores.

A empresa encerrou o terceiro trimestre com US$ 7,81 trilhões em ativos sob gestão, ante US$ 7,32 trilhões no segundo trimestre e US$ 6,96 trilhões no ano anterior.

Os mercados financeiros se recuperaram no terceiro trimestre, uma vez que uma postura acomodatícia dos bancos centrais globais e melhores perspectivas de crescimento aumentaram o apetite pelo risco.

Ainda assim, os investidores permaneceram cautelosos antes da eleição presidencial dos Estados Unidos em 3 de novembro e dos dados que sublinham a recuperação econômica desigual em um cenário de ressurgimento de casos de coronavírus em todo o mundo.

O lucro líquido da empresa sediada em Nova York aumentou 27% para US$ 1,42 bilhão, ou US$ 9,22 por ação, no terceiro trimestre encerrado em 30 de setembro, de US$ 1,12 bilhão, ou US$ 7,15 por ação, um ano antes. Analistas esperavam lucro de US$ 7,80 dólares, de acordo com dados da Refinitiv.

As taxas de performance da BlackRock saltaram mais de quatro vezes em relação ao ano anterior.

As entradas líquidas no trimestre totalizaram US$ 129 bilhões, disse a empresa, em comparação com US$ 100 bilhões no trimestre anterior. Mais de 50% dos fluxos de entrada de longo prazo da empresa foram impulsionados por clientes na Europa e na Ásia.

Os fundos de renda fixa da gestora arrecadaram US$ 70,36 bilhões em dinheiro novo, enquanto seu negócio de gestão de caixa atraiu US$ 27,8 bilhões em entradas líquidas no terceiro trimestre

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).