A força-tarefa da Lava Jato no Paraná afirmou que as declarações do ex-ministro Sergio Moro sobre tentativas de interferência do presidente Jair Bolsonaro são atos “da mais elevada gravidade” e que é “inconcebível” o acesso do Planalto a informações sigilosas.

“A tentativa de nomeação de autoridades para interferir em determinadas investigações é ato da mais elevada gravidade e abre espaço para a obstrução do trabalho contra a corrupção e outros crimes praticados por poderosos, colocando em risco todo o sistema anticorrupção brasileiro”, afirma a Lava Jato.

De acordo com os procuradores, a escolha de pessoas para cargos na estrutura do Ministério da Justiça e da Polícia Federal não pode servir “para interferência político-partidária nas investigações e processos”.

“É inconcebível que o presidente da República tenha acesso a informações sigilosas ou que interfira em investigações”, afirma a força-tarefa.

Ao anunciar sua demissão do governo federal, Moro criticou a insistência do presidente Jair Bolsonaro para a troca do comando da Polícia Federal, sem apresentar razões aceitáveis. O ex-juiz da Lava Jato também disse que o presidente queria ter acesso a informações e relatórios confidenciais de inteligência da PF.

Quer tirar suas dúvidas sobre o Imposto de Renda de 2021? Mande sua pergunta por e-mail (faleconosco@6minutos.com.br), Telegram (t.me/seisminutos) ou WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).