SÃO PAULO (Reuters) – O interesse pelo real para operações de “carry trade” permanece baixo, afetado por uma perspectiva de ambiente político-fiscal ainda “volátil e desafiador” no Brasil, à medida que o país trava a batalha contra a pandemia e vê ameaças de mais despesa pública num contexto de debate antecipado sobre as eleições, disse Alejo Czerwonko, chefe de investimentos para América Latina e emergentes do UBS.

Ainda em meados de ano, o dólar até pode recuar para 5,20 reais, com um pano de fundo otimista que inclui aceleração da retomada econômica diante da maior vacinação contra a Covid-19 e políticas monetária e fiscal ainda estimulativas nas economias centrais.

Para Czerwonko, a recente apreciação da taxa de câmbio brasileira teve “em sua maior parte” origem externa e foi ajudada pelo acordo sobre o Orçamento e a melhora dos números locais da pandemia.

O dólar futuro caiu 9,7% entre a máxima de 13 de abril, acima de 5,76 reais, e a mínima do último dia 10 (5,2065 reais).

Mas o executivo do UBS vê o alívio como temporário. Já no fim do terceiro trimestre a previsão é que a moeda retome os 5,50 reais, patamar no qual deverá permanecer ao término de dezembro deste ano e de março de 2022. A cotação estava em torno de 5,29 reais nesta segunda-feira.

“O ambiente externo deve continuar construtivo e benigno, mas esperamos que o ambiente doméstico continue volátil e desafiador por causa da intersecção entre política (em Brasília) e a política fiscal”, disse Czerwonko.

“A sustentabilidade das contas fiscais, o compromisso do governo com a responsabilidade fiscal estão muito em questão. Não vemos um comprometimento forte nisso”, afirmou o profissional. “O calcanhar de Aquiles da economia brasileira é o número da dívida/PIB, que beira 90%. Essa é uma nuvem que vai continuar a pairar sobre os ativos brasileiros.”

Com tudo isso, Czerwonko relatou que o investidor externo parece adotar o modo “esperar para ver” no interesse pelo real, com mudanças “tímidas” na percepção da moeda brasileira como um ativo de “carry”.

O “carry trade” é uma estratégia que consiste na tomada de empréstimos em moeda de país de juro baixo (iene japonês, por exemplo) e compra de contratos futuros da divisa de juro maior (como o real). O investidor, assim, ganha a diferença de taxas.

Com o histórico de juros elevados no Brasil, o real era uma das moedas preferidas para esse tipo de negociação. Mas com a queda da Selic de 14,25% em outubro de 2016 para 2% em agosto de 2020 (patamar mantido até março passado), a divisa não apenas deixou de oferecer diferencial de retornos atrativo como passou a contabilizar juro real negativo.

Isso causou uma reversão de seu status –de beneficiária, passou a financiar as operações de “carry trade”– e tornou o real alvo fácil de vendas.

Desde março, contudo, o BC vem aumentando os juros, o que já melhorou a relação risco/retorno de se comprar a divisa brasileira.

O profissional do UBS relatou que o Brasil é citado em debates sobre oportunidades de investimento que tratam da separação de mercados “líderes” e “atrasados”, com o país sendo considerado “relativamente barato”, especialmente num quadro de commodities em alta. “Vai ser um cabo de guerra entre exterior positivo e dinâmica doméstica desafiadora”, afirmou.

“Em resumo, estamos (UBS) falando em uma postura neutra. Não estamos tão convictos sobre o Brasil neste momento e estamos no modo esperar para ver como as dinâmicas domésticas vão se desenrolar.”

(Por José de Castro)

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).