FRANKFURT (Reuters) – A inflação da zona do euro repetiu em fevereiro a mesma taxa do mês anterior, dando uma pausa no que deve ser temporário antes de uma forte alta nos preços ao consumidor nos próximos meses, mostraram dados nesta terça-feira.

Os preços nos 19 países que usam o euro subiram 0,2% no mês em fevereiro e 0,9% na comparação com o ano anterior, em linha com as expectativas de analistas, mostrou a estimativa preliminar da Eurostat, agência de estatísticas da União Europeia.

Os preços devem subir mais devido a uma série de fatores únicos, e a inflação pode até mesmo superar a meta de 2% do Banco Central Europeu nos próximos meses, desafiando a projeção do banco de taxa média de inflação de 1% neste ano.

Ainda assim, as surpresas de alta não devem levar o BCE a apertar a política monetária, já que são consideradas temporárias e a inflação deve cair com força no final do ano, permanecendo bem abaixo da meta do BCE por anos em seguida.

A maior parte do aumento mensal dos preços se deveu ao aumento dos preços dos combustíveis e dos alimentos, mas o aumento no núcleo dos preços desacelerou, outro motivo para o BCE não apressar um aperto da política monetária.

Excluindo os preços voláteis de alimentos e energia, o que o BCE define como núcleo da inflação, a inflação desacelerou a 1,2% de 1,4% no mês anterior.

(Reportagem de Balazs Koranyi)

Quer tirar suas dúvidas sobre o Imposto de Renda de 2021? Mande sua pergunta por e-mail (faleconosco@6minutos.com.br), Telegram (t.me/seisminutos) ou WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).