A Páscoa foi celebrada no último domingo. Mas um acordo entre a Abicab (associação da indústria de chocolates) e a Abras (associação brasileira de supermercados) permitirá que os ovos de chocolate fiquem expostos no varejo até o fim do mês.

Qual o objetivo do acordo? Primeiro é tentar reduzir os estoques de ovos de Páscoa, já que as pessoas cortaram o consumo de itens não essenciais por conta da pandemia de coronavírus. Em segundo lugar, é permitir que as pessoas que não conseguiram comprar, mas ainda têm esse desejo, consigam encontrar os produtos nos supermercados.

“Estamos propiciando o acesso por mais tempo aos produtos para viabilizar que comportamentos tão característicos da celebração da Páscoa brasileira, como o ato de presentear com ovos de Páscoa e chocolates, possam acontecer assim que for possível e seguro estarmos juntos novamente”, dizem as duas entidades.

Mas as vendas decepcionaram? Ainda não há dados sobre vendas de ovos de Páscoa nas lojas físicas. Mas na internet elas explodiram. Dados da Ebit|Nielsen mostram que os pedidos aumentaram 322% entre os dias 29 de março a 6 de abril de 2020 em relação ao período de 07 a 20 de abril de 2019. Neste período, as vendas online de chocolates em geral subiram 360%.

O que explica esse comportamento? Duas coisas: 1) as pessoas evitaram sair de casa e por isso compraram pela internet; 2) elas deixaram para comprar ovos de Páscoa na última hora.

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).