BRASÍLIA (Reuters) – O secretário de Política Econômica do Ministério da Economia, Adolfo Sachsida, afirmou nesta quarta-feira que o impacto para as contas públicas do reajuste do salário mínimo a partir de 1º de janeiro de 2021 –que passará a ser de 1.100 reais– ficará em aproximadamente 4 bilhões de reais, ressalvando que a elevação está dentro do teto de gastos públicos.

“Se você comparar os valores, estamos falando de um aumento aqui aproximado de 4 bilhões de reais, então está dentro do espaço do teto, acho que estamos bem embasados nisso e o respeito ao teto”, disse Sachsida, em entrevista virtual.

“Todas as regras fiscais serão respeitadas”, reforçou.

O novo valor do salário mínimo foi anunciado no início da noite pelo presidente Jair Bolsonaro em sua conta no Twitter.

O ministro interino da Economia, Marcelo Guaranys, disse que o reajuste do salário mínimo tem como base o INPC e foi no mesmo aplicado no ano passado.

O secretário Especial de Fazenda, Waldery Rodrigues, foi na mesma linha de Guaranys e destacou que o governo vai avaliar os ajustes nos relatórios bimestrais para avaliar as despesas e até um eventual contingenciamento de gastos.

(Reportagem de Ricardo Brito)

Quer tirar suas dúvidas sobre o Imposto de Renda de 2021? Mande sua pergunta por e-mail (faleconosco@6minutos.com.br), Telegram (t.me/seisminutos) ou WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).