Rolf Lüders foi ministro da Economia e da Fazenda na ditadura de Pinochet. Hoje professor da PUC do Chile, afirma que a pandemia evidenciou deficiências da ação do Estado e que, apesar de esses problemas poderem ser corrigidos com modificações nos gastos e reformas, duvida que isso aconteça. “A prática histórica sugere que esse não será o caso”, afirmou por e-mail. A seguir, trechos da entrevista.

Em todo o mundo, os governos foram mais ativos na economia no ano passado. Essa tendência deve continuar?

De fato, a grande maioria dos países, senão todos, aumentou os gastos fiscais para ajudar os desempregados e adotar medidas de saúde. Esse aumento nos gastos do Estado, anticíclico, é de curto e médio prazos e corresponde ao que os economistas chamam de política macroeconômica. Em relação a uma mudança estrutural, ou seja, a um aumento permanente da interferência do Estado na economia, seja em gasto social ou em regulação da atividade, infelizmente, é muito provável que isso seja observado, porque a pandemia revelou, em um grande número de países, deficiências importantes na ação do Estado. Apesar de que a maioria dessas deficiências pode ser remediada com uma reforma do Estado que modifique os gastos, em vez de aumentar os gastos e as regulações existentes, a prática histórica sugere que não será esse o caso.

Como avalia os protestos no Chile que resultaram no plebiscito por uma nova Constituição?

Minha explicação preferida está relacionada com a frustração de expectativas depois de anos de queda significativa da taxa de crescimento econômico do país. Isso se traduziu em problemas financeiros em muitos lares, que começaram a gastar mais que suas rendas. Foi nesse momento que a redistribuição da renda pareceu como uma possível solução à situação. Não parecia haver um clamor por uma mudança no sistema econômico-social, mas um pedido por mudança de objetivos, de crescimento e redução de pobreza para uma justiça distributiva mais favorável à classe média.

O sr. conheceu o ministro Paulo Guedes em Chicago ou quando ele trabalhava no Chile?

É possível que tenhamos participado de algum seminário ou reunião de economistas, já que ele trabalhou um tempo na Universidade do Chile.

Como avalia sua política econômica?

Não tenho acompanhado a evolução da economia brasileira com profundidade. Entendo que foi aprovada uma reforma previdenciária que, embora não seja a originalmente aspirada pelo governo de Bolsonaro, tende a solucionar os principais problemas fiscais do regime anterior, fato que provavelmente está contribuindo para a baixa inflação do País. Como no resto do mundo, no Brasil a política de saúde determinou em grande parte a evolução da economia em 2020. Se julgarmos o que aconteceu exclusivamente do ponto de vista do crescimento econômico e em relação às demais grandes economias da região, o Brasil teve uma queda do PIB muito menor, estimada em 4,4%, contra quedas de 10,5% e 9,1%, respectivamente na Argentina e no México. E, em termos de projeções, essas três economias apresentam taxas de crescimento anual semelhantes, em média 2,5% ao ano, de modo que o Brasil atingirá seu nível de tendência mais cedo. Você pode pedir muito mais?

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Quer tirar suas dúvidas sobre o Imposto de Renda de 2021? Mande sua pergunta por e-mail (faleconosco@6minutos.com.br), Telegram (t.me/seisminutos) ou WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).