SÃO PAULO (Reuters) – A empresa de saúde Hapvida teve aumento das receitas no primeiro trimestre, diante de aquisições e aumento de preços, mas seu lucro caiu refletindo despesas maiores com internações pela Covid-19.

A companhia, que em março selou a compra do Grupo Notre Dame Intermédica, anunciou nesta quarta-feira que teve lucro líquido de 151,8 milhões de reais de janeiro a março, queda de 7,7% em relação à mesma etapa de 2020.

A receita líquida da Hapvida no período, de 2,3 bilhões de reais, cresceu 11,8% ano a ano, com adição de 477 mil beneficiários de saúde e odonto e aumento dos tickets médios.

Porém, os custos assistenciais (caixa) cresceram 22,4%, para 1,42 bilhão de reais. O chamado índice de sinistralidade caixa, que mede os custos operacionais em relação às receitas, atingiu 61,1%, aumento de 5,3 pontos percentuais, em virtude do maior patamar de sinistro das empresas adquiridas (Medical e Grup.o São José)e, atendimentos e internações causados pela Covid-19.

A empresa fechou o trimestre com 3.876 leitos hospitalares em operação, sendo 1.567 leitos para tratamento da Covid.

O resultado operacional medido pelo lucro antes de impostos, juros, depreciação e amortização (Ebitda), atingiu 466,8 milhões de reais, queda de 0,2%, com a margem caindo 2,4 pontos percentuais, para 20,1%.

A conclusão da compra da Notre Dame Intermédica aguarda aprovação regulatória. A Hapvida fez uma oferta subsequente de ações de 2,7 bilhões de reais em abril para ajudar a pagar a operação.

(Por Aluísio Alves)

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).