Sem provas, o presidente Jair Bolsonaro acusou a vacina chinesa de causar “morte, invalidez e anomalia”. A resposta dada em uma rede social acontece após a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) interromper o estudo clínico da vacina Coronavac, desenvolvida pelo Instituto Butantan e pelo laboratório chinês Sinovac Biotech.

Politizando a discussão, Bolsonaro usou o tema para alfinetar o governador de São Paulo, João Doria, com quem trava uma disputa em torno da vacina. “Mais uma que Jair Bolsonaro ganha”, escreveu.

Bolsonaro disse que Doria “queria obrigar a todos os paulistanos a tomá-la”.

Por que a Anvisa suspendeu os estudos? A alegação é que a interrupção se deu por conta de “evento adverso grave” durante a fase de testes da vacina.

O que o Butantan disse sobre o caso? Segundo o jornal O Globo, o Butantan afirmou que a morte não é relacionada à vacina e o diretor geral do instituto, Dimas Covas, afirmou que recebeu com estranheza a notícia.

A suspensão também ocorreu no mesmo dia que Doria anunciou que as primeiras doses da Coronavac chegariam em novembro. Com a suspensão, o produto não pode ser mais aplicado em nenhum voluntário.

 

 

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).