Entregadores de apps como iFood, Uber Eats, Rappi e James Delivery marcaram uma paralisação para esta quarta-feira, dia 1º de julho. O protesto pede melhorias nas condições de trabalho, como fornecimento de material de segurança contra o coronavírus (álcool em gel), e fim das práticas que reduzem os ganhos da categoria, como sistema de pontuação, valor da taxa mínima e da corrida.

O que está marcado? Os entregadores devem começar uma concentração em frente ao SindMoto (sindicato dos motofretistas), na zona sul de São Paulo, a partir das 9h. Às 11h, os entregadores seguirão em cortejo pela avenida dos Bandeirantes, marginal Pinheiros e rua da Consolação, terminando em frente à sede do (Tribunal Regional do Trabalho).

Vai ter fechamento de ruas? Pode ser que sim. Entidades que representam a categoria disseram que o movimento pode causar congestionamento.

O que os entregadores pedem?  

  • Aumento do pagamento das corridas
  • Aumento da taxa mínima
  • Fim dos bloqueios e desligamentos indevidos
  • Fim do sistema de pontuação
  • Taxa EPI (equipamento de proteção individual)

Vai ter adesão? A categoria não tem uma única liderança, é bem pulverizada, por isso fica difícil saber se a adesão será efetiva. A maioria não é filiada ao SindMoto. Em grupos de entregadores, alguns dizem que vão aproveitar a paralisação para ganhar mais, já que os apps devem aumentar o valor da corrida.

Os entregadores pedem apoio dos clientes dos apps? Sim. Campanhas nas redes sociais orientam os clientes a ficar um dia sem app, ou seja, que não peçam nada na quarta-feira. Também pede que os usuários deem notas ruins para os aplicativos e escrevam notas de apoio nos comentários das lojas, como a hashtag #ApoioBrequedosApps.

Nas redes sociais, é crescente o apoio à paralisação:

Qual é a situação de trabalho dessa categoria durante a pandemia? Estudo realizado por pesquisadores do Grupo de Trabalho Digital da Remir (Rede de Monitoramento da Reforma Trabalhista) de quatro universidades federais do país, além da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas), mostrou que 60% dos entregadores trabalham nove horas ou mais por dia, todos os dias da semana (52%). Mesmo trabalhando tanto, a remuneração caiu para 60% deles porque houve queda no bônus pago pelos apps e redução do período de tarifa dinâmica.

E como ficou a segurança deles durante a pandemia? 60% disseram não ter recebido nenhum apoio da empresa para diminuir os riscos de contaminação. Outros 37,3% afirmaram ter recebido apenas orientações. E 19,4% receberam álcool em gel das empresas.

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).