Governos que agiram rapidamente para restringir o contato social com o objetivo de proteger a saúde dos cidadãos durante a pandemia também tiveram melhores resultados na proteção das economias, segundo pesquisa realizada pela Bloomberg Economics.

As conclusões indicam que não há equilíbrio entre salvar vidas e salvar empregos. Embora alguns países tenham uma ligeira vantagem em depender menos do setor de serviços, a velocidade e a determinação com que autoridades impuseram restrições tiveram o maior peso na redução do impacto da Covid no PIB, disseram os economistas Scott Johnson e Tom Orlik.

“Governos que atuaram sob a falsa esperança de que um pouco mais de crescimento poderia ser adquirido às custas de mais alguns casos de vírus, muitas vezes acabaram com poucos empregos a mais, mas muito mais contágio”, disseram.

A ideia de um equilíbrio entre saúde e riqueza dominou os primeiros debates sobre políticas para o coronavírus. Regimes autoritários agiram mais rápido para interromper as interações que espalhariam a doença, o que os ajudou a superar o desempenho de muitas democracias de livre mercado.

China e Rússia, que pontuaram mal em uma medida do Banco Mundial de responsabilidade governamental, superaram EUA, Reino Unido, Espanha e Itália em termos de saúde e resultados econômicos, embora ambos os países seja questionados sobre a confiabilidade de seus dados.

A confiança nos governos também foi um fator significativo para o sucesso ao lidar com a crise, segundo a pesquisa.

“De Washington a Londres, Roma, Madri e Paris, mesmo depois que a última vacina for administrada, as falhas de governança ainda precisarão ser corrigidas”, disseram os economistas.

Quer tirar suas dúvidas sobre o Imposto de Renda de 2021? Mande sua pergunta por e-mail (faleconosco@6minutos.com.br), Telegram (t.me/seisminutos) ou WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).