O presidente da Caixa, Pedro Guimarães, antecipou hoje que os beneficiários do auxílio emergencial devem ser o público-alvo de um programa de microcrédito que está sendo elaborado pelo governo. Como o pagamento do auxílio termina em dezembro, muitas dessas pessoas ficarão sem a principal fonte de renda dos últimos meses.

Em que contexto ele comentou o tema? Guimarães estava falando sobre como o auxílio emergencial ajudou a bancarizar 33 milhões de pessoas.

Quem são essas 33 milhões de pessoas? São os beneficiários do auxílio emergencial que não possuíam conta em nenhuma instituição financeira. Para receber o benefício, a Caixa abriu uma conta digital para todos os beneficiários – a poupança Caixa Tem.

“Estamos discutindo um grande programa de microcrédito após o auxílio emergencial. Já temos o número do celular delas, conseguiremos atingir milhares de pessoas de maneira eficiente”, diz Guimarães.

Segundo ele, o programa de crédito terá um custo muito menor que os disponíveis hoje no mercado. “Nossa taxa não chegará a 10% do que é cobrado. Há uma condição de inserção dentro desse problema grave que é a pandemia.”

Antonio José Barreto, secretário-executivo do Ministério da Cidadania, disse que o microcrédito é uma das alternativas para emancipar quem dependeu do auxílio para sobreviver.

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).