Você já leu no 6 Minutos sobre o mistério das sementes enviadas da China para a casa de moradores de diversas partes do país. O Ministério da Agricultura informou nesta terça-feira (6) que foram encontrados fungos, bactérias e possibilidade de pragas quarentenárias (que não existem no Brasil) nos pacotes dessas sementes.

Qual o mistério? Vários brasileiros receberam pacotinhos com essas sementes sem nunca ter pedido nada. Os pacotes chegam pelos Correios e o remetente, na maioria das vezes, está na China. Os únicos estados que ainda não registraram o recebimento do material foram Maranhão e Amazonas.

O que o governo encontrou? Foi identificada a presença de ácaro vivo em uma amostra; de três fungos diferentes em 25 amostras; de bactéria em duas amostras; e possibilidade de pragas quarentenárias em quatro amostras (como plantas daninhas).

O que fazer se receber esse pacotinho? As pessoas que receberem os pacotes devem encaminhá-los a uma unidade do ministério ou entidade estadual de agricultura. O material não deve ser manuseado.

“O cidadão que receber esse material pode entregar para o órgão de agricultura que ele não vai ser de forma alguma penalizado. Ele está fazendo uma colaboração da proteção da agropecuária do Brasil e também evitando o contato com um material que possa ter um risco até para a saúde”, disse o secretário de Defesa Agropecuária, José Guilherme Leal.

Qual o golpe? O Better Business Bureau (espécie de Procon dos Estados Unidos) identificou que as sementes fazem parte de um esquema para falsificar avaliações em sites de comércio eletrônico, chamado de brushing.

Como é esse golpe? Um vendedor qualquer que tem produtos à venda na Amazon ou no Alibaba, por exemplo, pega na plataforma endereços de pessoas que já compraram no site. É por isso, por exemplo, que a esposa de Zapella, de Jaraguá do Sul, que comprou itens de decoração, recebeu as sementes.

Ele simula que fez uma venda para o Brasil, usando o endereço real. Mas em vez de enviar um produto de verdade (o que custaria caro para ele), utiliza sementes.

Por que sementes? Primeiro porque são leves e barateiam o frete. E segundo porque são de graça. Ele pode coletá-las em qualquer árvore. Houve casos nos Estados Unidos de envio de anéis de plástico também.

Por que ele faz isso? Para poder fazer revisões positivas de seus próprios produtos.

Como isso funciona? Horacio Poblete, cofundador da RA Trustvox, plataforma vendida ao Reclame Aqui em 2019 que coleta “reviews” verdadeiros, explica o truque: “Grandes marketplaces, como a Amazon, têm esse sistema de avaliações”, explica ele. “Se você tem boas avaliações, você vende. Se não tem, vende menos ou não vende.” Ou seja, as avaliações são uma boa maneira de se destacar entre milhares de vendedores desses marketplaces. Eles passam confiança para o comprador.

O problema é que existem avaliações falsas. “Na Amazon, por exemplo, existem vários níveis de proteção para garantir que essas avaliações sejam verdadeiras. O problema é que eles são vulneráveis.”

Entre os níveis de proteção usados por grandes marketplaces está um que determina que só podem escrever avaliações de produtos consumidores que têm endereços físicos verdadeiros. Outro é que a pessoa tenham recebido suas compras feitas pelo marketplace.

É aí que as sementes entram.

Quando o vendedor envia as sementes e o correio local dá baixa na entrega do produto, dois níveis de proteção do marketplace são liberados:

  • Envio: ok
  • Entrega: oK

Assim, o vendedor fica liberado pelo marketplace para escrever em seus próprios produtos as revisões que quer, como se fosse um consumidor. Normalmente, ele dá cinco estrelas para tudo e escreve muitos elogios.

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).