Por Marcela Ayres

BRASÍLIA (Reuters) – O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou nesta quarta-feira que o governo avalia se o benefício temporário que irá vitaminar o Auxílio Brasil, novo Bolsa Família, será pago fora do teto, o que demandaria uma licença para um gasto de cerca de R$ 30 bilhões de reais, ou se haverá opção por uma mudança na regra constitucional do teto de gastos para acomodá-lo.

“Estamos buscando agora a formatação final desses R$ 400”, disse ele, em participação online em fórum promovido pela Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias (Abrainc).

“Fazendo a sincronização dos ajustes –de um lado as despesas obrigatórias, os salários, de outro lado o teto–, ou pedindo um waiver com um número limitado, pouco mais de R$ 30 bilhões”, complementou.

Qualquer que seja a decisão, ela é política, ressaltou Guedes. Em vários momentos de sua fala o ministro buscou frisar que sua pasta havia preparado uma solução mais estrutural para o aumento do programa, que envolvia a aprovação da reforma do Imposto de Renda.

Como a medida não avançou no Senado, o governo teve que se debruçar sobre outras saídas para amparar os mais vulneráveis no pós-pandemia, justificou ele.

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).