RIO DE JANEIRO (Reuters) – O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Fux, afirmou nesta quarta-feira que a democracia no Brasil é inegociável e a Justiça atua de forma independente.

A declaração ocorre um dia depois de a Câmara dos Deputados rejeitar a PEC do voto impresso, impondo uma derrota ao presidente Jair Bolsonaro, que mesmo sem provas tem levantado dúvidas sobre o sistema de votação brasileiro.

Além de afirmar que o sistema não é confiável, Bolsonaro tem atacado o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Luís Roberto Barroso, que também é ministro do STF, o que criou um forte mal-estar com a corte e levou Fux a cancelar um encontro com Bolsonaro.

No dia do magistrado e da democracia, o presidente do STF fez uma ampla defesa dos valores democráticos.

“Hoje no dia do magistrado é também o dia da democracia. A sociedade espera muito dos magistrados. Uma independência olímpica, um conhecimento enciclopédico, uma Justiça caridosa, uma caridade justa e o dever de ouvir e tolerar a verdade alheia. Nesse dia que se exige todos esses atributos dos magistrados nós devemos nos vangloriar do que escolhemos para exercer nesse mundo de Deus“, disse Fux em cerimônia no Cristo Redentor.

“Justiça independente e democracia inegociável”, afirmou o presidente do Supremo.

(Reportagem de Rodrigo Viga Gaier)

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).