A Argentina iniciará negociações com o FMI (Fundo Monetário Internacional) nas próximas semanas com o objetivo de fechar um novo programa para substituir um extinto acordo de empréstimo de US$ 57 bilhões  de dois anos atrás, disse uma autoridade do FMI à Reuters no sábado.

Em 2018, a Argentina recebeu o maior pacote de empréstimos da história do FMI em uma tentativa malfadada de conter a queda na moeda local. Cerca de US$ 44 bilhões do dinheiro alocado foram pagos até agora.

“Nas próximas semanas, a Argentina planeja solicitar formalmente o início de negociações para um novo programa que sucederá o programa cancelado de 2018”, disse Sergio Chodos, diretor-executivo do FMI para o Cone Sul.

“Não há um prazo rigoroso para a conclusão das próximas negociações porque o calendário de vencimentos do principal devido ao Fundo não começa antes de 21 de setembro de 2021. Portanto, o processo de discussão pode ser bem pensado”, disse Chodos em entrevista por telefone.

Novos empréstimos do FMI não farão parte do próximo acordo, acrescentou. O governo teve que renegociar cerca de US$ 65 bilhões em títulos à medida que o país mergulha no que deve ser uma recessão de 12,5% este ano.

“Estamos prontos para apoiar a Argentina, incluindo o envolvimento com as autoridades em um novo programa apoiado pelo FMI quando as autoridades assim desejarem. No entanto, neste estágio, nenhum pedido foi feito”, disse um porta-voz do Fundo em comunicado enviado por e-mail.

O governo está conversando com detentores de títulos indecisos sobre o apoio a um acordo de reestruturação de dívida soberana fechado há alguns dias com grupos de credores importantes. O governo disse que finalizará a reestruturação dos títulos antes de começar a reformar seu acordo com o FMI.

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).