O mercado começa a semana de olho na nova equipe do ministro da Economia, Paulo Guedes, que sofreu baixas importantes na semana passada depois que o governo decidiu mudar o teto de gastos para bancar o novo Auxílio Brasil.

Na sexta-feira, Guedes anunciou que Esteves Colnago assumirá a secretaria do Tesouro e Orçamento, no lugar de Bruno Funchal. O atual subsecretário de Previdência Complementar no Ministério do Trabalho e Previdência, Paulo Fontoura Valle será o novo secretário do Tesouro Nacional.

Além de Funchal, também pediram para sair o secretário do Tesouro Nacional, Jeferson Bittencourt, e os secretários adjuntos Gildenora Dantas (Tesouro e Orçamento) e Rafael Araujo (Tesouro Nacional).

A indicação de Colnago aconteceu depois do presidente Jair Bolsonaro fazer um ‘afago’ em Guedes e dizer que tem ‘confiança absoluta’ em seu ministro da Economia. Na sexta-feira, surgiram rumores de que a ala política de governo estava querendo a saída de Guedes. “Nós nos entendemos muito bem, tenho confiança absoluta nele e Guedes entende as aflições que o governo passa”, afirmou Bolsonaro.

Veja abaixo o que deve mexer com o mercado nesta segunda-feira:

Nova equipe de Paulo Guedes

Depois da debanda de secretários, Guedes anunciou na sexta-feira que Esteves Colagno assumirá a secretaria do Tesouro e Orçamento, no lugar de Bruno Funchal. O atual subsecretário de Previdência Complementar no Ministério do Trabalho e Previdência, Paulo Fontoura Valle será o novo secretário do Tesouro Nacional. Resta saber quem serão os substitutos dos secretários adjuntos Gildenora Dantas (Tesouro e Orçamento) e Rafael Araujo (Tesouro Nacional).

A confiança na nova equipe é fundamental para saber se a nova equipe será forte o suficiente para dar sustentabilidade ao novo ministro e aos arroubos políticos que vêm prevalecendo sobre a economia.

Pré-Copom

As previsões do mercado sobre o aumento da taxa Selic, que estava pacificado em 1 ponto para as reuniões de outubro e dezembro, foram por água abaixo depois da notícia de mudança do teto de gastos. As apostas do mercado é que o Copom, que se reúne a partir de amanhã, faça mais dois ajustes, de até 1,50 ponto, na Selic deste ano.

Piora nas projeções

O aumento mais forte da taxa de juros deve desacelerar ainda mais o crescimento econômico. Na sexta-feira, a XP revisou a estimativa de alta do PIB de 2022 de 1,3% para 0,8%. A Asa Investimentos reduziu para 0,4%, mas admite que o PIB pode ficar negativo em 2022. O Boletim Focus, de hoje, pode captar essa mudança de perspectiva.

Temporada de balanços

Empresas como EcoRodovias, EDP Brasil e Tim revelam seus resultados do terceiro trimestre nesta segunda.

 

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).