Todas as atenções do mercado continuam voltadas para os esforços do governo de romper o teto de gastos. O governo até negociou ajustes na PEC dos Precatórios para permitir que pudesse gastar mais em 2022, ano eleitoral, com o novo Auxílio Brasil de R$ 400.

O encampamento de Paulo Guedes da ideia de furar o teto de gastos gerou uma debandada no Ministério da Economia. Quatro secretários pediram demissão na quinta-feira, incluindo Bruno Funchal (Tesouro e Orçamento).

Essa movimentação coloca em xeque o papel Guedes como fiador da política econômica do governo Jair Bolsonaro. O mau humor do mercado é um sinal de que esse papel está enfraquecido – e não é de hoje.

Veja o que deve mexer com a atenção do mercado nesta sexta-feira

Isolamento de Guedes

A debandada de secretários importantes do Ministério da Economia deve colocar mais tensão no mercado, que por muito tempo deu ao ministro Paulo Guedes o posto de fiador da política econômica.

Teto de gastos

Até o começo da noite de ontem, permaneciam fortes as articulações para mudar o cálculo do teto de gastos, o que abriria uma brecha para o governo gastar mais. Esse jeitinho, dependendo do arranjo final que tiver, pode gerar mais tensão ao mercado.

Getnet

A empresa vai listar a partir de hoje as ações na bolsa norte-americana de Nasdaq. Na B3, as units (GETT11) começaram a ser negociadas na segunda-feira a R$ 6, atingiram R$ 11,30 e agora estão no patamar de R$ 6,70. Desde a estreia, os papéis acumulam alta de 12,66%.

Hypera

A Hypera inaugura temporada de balanços do terceiro trimestre, com divulgação dos resultados após o fechamento do mercado. O Citi espera que a Hypera registre R$ 1,59 bilhão em receita líquida, alta de 46% no comparativo com o terceiro trimestre de 2020.

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).