O ouro ainda não concretizou toda a sua tendência de alta e tem espaço para ampliar ganhos enquanto os juros reais permanecem baixos, avalia a Pimco, acrescentando que o preço atual do metal não está caro.

“Apesar do avanço recente nos preços, acreditamos que o ouro permanece com valor atraente — pode-se até dizer barato — no contexto de taxas de juros reais historicamente baixas”, afirmou Nicholas Johnson, gerente de carteiras de commodities da gestora de recursos.

A onça de ouro bateu recorde ao superar a marca de US$ 2.000 no início deste mês. Investidores buscam refúgio em meio à pandemia de coronavírus, enquanto os bancos centrais liberam estímulos monetários sem precedentes. O rendimento real dos títulos do Tesouro americano com prazo de 10 anos caiu para muito abaixo de zero, reforçando o interesse pelo metal que não rende e aumentando os fluxos para fundos negociados em bolsa (ETFs) atrelados ao ouro.

“Nosso cenário básico é que os juros permanecerão dentro de um intervalo; essa perspectiva, combinada com nossa visão de que aspectos técnicos e o interesse pelo ouro empurram para cima o preço do ouro ajustado pelo rendimento real, sugere que o ouro ainda tem espaço para subir a partir daqui”, afirmou Johnson em postagem em um blog.

A onça de ouro à vista era negociada a US$1.932 na terça-feira, acumulando ganho de 27% este ano. Embora Johnson não tenha feito uma previsão exata na postagem, outros analistas otimistas divulgaram preços-alvo nas últimas semanas. Para o Goldman Sachs Group, o metal chegará a US$ 2.300.

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).