RIO DE JANEIRO (Reuters) – Os estudos preliminares e ainda em fase laboratorial realizados no exterior apontam que as vacinas contra a Covid-19 protegeriam contra a nova variante Ômicron e evitariam que a doença evolua para forma grave, disse nesta terça-feira o vice-presidente de Produção e Inovação da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), Marco Krieger.

“Não temos condições de uma informação conclusiva, mas as evidências laboratoriais mostram que o número de mutações é muito grande e pode ser um problema, mas, por outro lado, já existem relatos que uma parte da resposta é preservada. Temos a expectativa que as vacinas protejam mesmo que não totalmente contra a infecção, mas possam garantir uma boa proteção contra a doença grave, o que é um ganho importante”, disse Krieger à Reuters.

O vice da Fiocruz alertou, no entanto, que a distribuição desigual de vacinas pelo mundo ainda provoca o risco de surgimento de novas variantes. “Esse é o medo”, frisou.

“Toda variante tem condições de sobrepujar as defesas dos já infectados e a proteção vacinal. A gente não tem visto isso até o momento, nem com a Gama e Delta (variantes anteriores), que também tinham alta capacidade de replicação”, acrescentou.

A Fiocruz é responsável pela produção no Brasil da vacina da AstraZeneca contra a Covid-19.

A Ômicron tem gerado temores em todo o mundo de que a grande quantidade de mutações na proteína spike do coronavírus, usada pelo vírus para infectar as células, possa significar que a variante escape da imunidade induzida por vacinas.

Alguns fabricantes de imunizantes, no entanto, afirmam que, embora seja possível que as vacinas existentes sejam menos eficazes contra a Ômicron, é provável que protejam os infectados pela nova variante contra quadros graves da Covid-19.

Especialistas sul-africanos afirmaram, até o momento, que os casos da Covid-19 provocados pela Ômicron foram amenos. Cientistas no geral alertam, ao mesmo tempo, que há muitas incertezas em torno da nova variante e são necessários estudos para responder questões como a eficácia da vacina.

O Brasil confirmou até o momento seis casos de Ômicron, todos em pessoas que chegaram do continente africano já infectadas.

(Por Rodrigo Viga Gaier)

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).