Profissionais de diversas áreas estão procurando entender melhor o comportamento humano. E não é apenas para se tornarem pessoas melhores. O interesse tem a ver com a necessidade de oferecer experiências melhores para o público com que se relacionam, seja ele o cliente ou o funcionário, e assim se diferenciarem no mercado de trabalho.

“Várias pessoas têm buscado conhecimento da economia comportamental, pois viram que é preciso ir além da parte técnica, que é indispensável compreender o comportamento humano para obter vantagem competitiva no mercado”, diz a especialista em economia comportamental Flávia Ávila, CEO da InBehavior Lab.

Qual a vantagem de entender esses conceitos? Para Flávia, as empresas (e seus funcionários) passaram muito tempo achando que suas ações para o cliente podiam ser focadas apenas na intuição, tradição ou no achismo.

“Por que alguns projetos falham? Algumas empresas gastam milhões em projetos que estão fadados a dar errado. Esses projetos falham porque não consideram o ser humano com todas suas características, impulsos e gatilhos”, afirma Flavia.

Como conhecer o comportamento humano ajuda? Para a especialista, o conhecimento da economia comportamental permite identificar tendências de mercado e se antecipar a elas. “Você passa a ter ideias de como testar um produto de forma segura, por exemplo, antes de escalar”, afirma. “O conhecimento do comportamento humano ajuda a tomar melhores decisões e a criar produtos e serviços mais alinhados com o que as pessoas querem.”

Como aprende sobre isso? Flavia diz que existem pesquisas e ferramentas que ajudam a entender o comportamento humano. Ela mostra essas pesquisas e ferramentas no curso Ciências Comportamentais Aplicadas, que começa no dia 18 de janeiro

As inscrições podem ser feitas até 13 de janeiro pelo link http://inbehavioracademy.com.br/curso/.

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).