O Brasil gerou 121,3 mil vagas com carteira assinada no mês passado, no melhor resultado para o emprego formal em meses de agosto desde 2013.

Os dados do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) foram divulgados hoje pelo Ministério do Trabalho, e mostraram que houve 1,382 milhão de admissões e 1,261 milhão de demissões em agosto.

Esse é o quinto mês consecutivo em que o país fica “no azul” no emprego formal, ou seja, mais cria do que elimina vagas com carteira assinada.

Quais foram os setores que mais geraram emprego? Seis setores da economia tiveram saldo positivo e dois tiveram saldo negativo. Veja detalhes abaixo:

– Serviços: + 61.730 vagas

– Comércio: + 23.626

– Indústria de transformação: + 19.517

– Construção civil: + 17.306

– Administração pública: +1.391

– Extrativa mineral: +1.235

– Agropecuária: -3.341 postos

– Serviços Industriais de Utilidade Pública: -77 postos

Como está o acumulado do ano? Entre janeiro e agosto, foram criados 593,4 mil postos de trabalho com carteira assinada no Brasil, acima das 568,5 mil vagas criadas no mesmo período do ano passado.

Essa época do ano tradicionalmente cria mais vagas? Sim. No período entre agosto e outubro há muitas contratações temporárias para atender à demanda de final de ano.

Em quais regiões foram criadas mais vagas? Todas as regiões tiveram saldo positivo de emprego formal no mês passado. Veja abaixo:

Sudeste: + 51.382 vagas

Nordeste: + 34.697

Sul: + 13.267

Centro-Oeste: + 11.431

Norte: + 10.610

E como os salários se comportaram? O salário médio de admissão foi de R$ 1619,45, alta de 1,97% em relação a agosto do ano passado, e o salário médio de desligamento foi de R$ 1.769,59, crescimento de 1,02% na mesma comparação.

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).